EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

13 de Julho de 2020

Tribuna do Leitor - 28 de junho de 2020

Neste domingo, participações de Beatriz Campos, Grupo de Proteção da Família e da Cidadania, Luiz Vinagre, Fernando Martins Braga e Lyonel O. Sirenno

Rachadão

Durante o governo do PT, não foi segredo que o número de servidores aumentou assustadoramente e que eles eram obrigados a se filiar ao partido e a pagar dízimo. Chegaram, inclusive, a reclamar da inadimplência depois que a inflação explodiu. O partido subiu o teto dos salários do funcionalismo em 50% acima da inciativa privada e, em compensação, o funcionário repassava parte desse salário ao partido. Na linguagem atual, não seria um rachadão? Porque essa sistemática se repetia nas prefeituras e nos estados onde o PT governava. Por que será que o pau que bate em Chico hoje, não bateu em Francisco durante 16 anos? Não estou passando pano para ninguém, mas, hoje, a mídia que está em feroz caça a mulher de Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, não tem vergonha de ter fechado os olhos ao rachadão do PT? Quantos bilhões foram também roubados dos cofres públicos? A conferir...

Beatriz Campos - São Paulo

 

Racismo

Muito importante o alerta que um grupo de jovens universitários de Santos postou nas redes sociais, condenando o racismo e pedindo providências para evitar novas postagens que possam denegrir alguém por sua condição física, sua cor da pele ou suas preferências de qualquer ordem. O racismo é algo que não pode mais existir na vida social pois todos temos os mesmos direitos e deveres. Falar mal ou denegrir a imagem de uma pessoa por preconceito de cor ou ideologia, é algo insensato, que deve ser banido da sociedade. A preocupação desses universitários é válida uma vez que nossa sociedade deve justiça e respeito aos que aqui estão, naturais da terra ou refugiados. A liberdade de expressão não pode denegrir ninguém.

Grupo de Proteção da Família e da Cidadania - Santos

 

Fazendo água

Assistindo a entrevista do deputado federal Junior Bozella na CNN Brasil, me convenci de que, em uma guerra, não o queria atrás de mim. Ele foi eleito vereador em São Vicente pelo PSDB. Depois, foi candidato a prefeito pelo PSD e não se elegeu com os 12 mil votos que recebeu. Finalmente, foi alçado ao mandato de deputado federal pelo PSL, por força e presença da "onda bolsonaro". De outra forma, não o seria. Então, como tantos outros, vem traindo a postura irrepreensível no combate a tudo que queríamos, ou seja, acabar com a corrupção. Os memes atuais e o verdadeiro complô da mídia contra o presidente, para fazer água no nosso barco, não vai colar. Mas, não tem nada, não! 2022 está logo aí!

Luiz Vinagre - Santos

 

Dia de Portugal

Como em todos os anos, o Dia de Portugal não deixou de ser comemorado em nossa cidade. A 11ª edição, devido a pandemia, foi por meio digital. Extraordinário ver como nós, os portugueses, somos criativos. A live chegou não só a nossa comunidade, mas a outros países. Quem sabe agora o governo português possa perceber que esta população, de mais de 50.000 pessoas, entre portugueses e lusodescendentes, merece mais respeito? Parabéns aos organizadores, que fizeram um programa emocionante. Os ranchos e as cantoras foram demais. Obrigado por este domingo inesquecível!

Fernando Martins Braga - Santos

 

Ministro da Educação

Há poucos dias fomos brindados à exaustão, pela mídia, com protestos contra policiais americanos em vista do assassinato de uma pessoa de cor. Aqui, no Brasil, faziam referência também outras mortes em situações semelhantes. O meu intuito não é para discorrer sobre a truculência dos ditos homens da lei, mas, sim, alertar àqueles que se dizem sem preconceito. O professor Carlos Alberto Decotelli foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para gerenciar o Ministério da Educação. Neste caso, a mídia em geral citou o professor Decotelli como o segundo negro a chefiar o MEC e o primeiro no time ministerial de Bolsonaro. Tivesse ele outra cor, como seria descrito? Por que não enalteceram suas qualidades ou seus defeitos? Creio que notícias assim demonstram que aqueles que se dizem sem preconceito são, na verdade, os mais preconceituosos. Após, vem pedidos de desculpa etc e tal... Ah! Meu Brasil.

Lyonel O. Sirenno - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.