EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

10 de Julho de 2020

Tribuna do Leitor - 27 de maio de 2020

Na edição desta quarta-feira (27), participações de Augusto Zago, Silvio Rodrigues, Obed Zelinchi de Arruda, Juan Manuel Villarnobo Filho e Flávio Santos

Nova realidade

Praia chorosa, sem um dedinho de prosa. Só pássaros voam e sobrevoam em busca de alimento que o mar na praia faz chegar, peixes que desistiram de viver, pois já cumpriram seu dever. Outros, curiosos, chegaram até a areia sem obedecer aos guardas que os avisaram que se não ficassem na profundidade, na certa iriam se afogar. Garis apressados, correm animados, para retirar lixo que sobra pela imprudência dos que não tem paciência de colocar no devido lugar. Na espera da Prefeitura liberar biquínis e sungas, para outro colorido lhe dar, assim, a natureza a se esparramar.
Augusto Zago - Santos

Exigência inviável

Gostaria de manifestar minha indignação quanto ao novo procedimento para acompanhantes de pessoas internadas no Hospital Beneficência Portuguesa. Estou com uma idosa de 97 anos internada no referido hospital, que não deixa entrar acompanhantes sem a realização de testes para Covid-19 a cada três dias. O mesmo hospital oferece o exame por R$ 200,00. O que é totalmente inviável, haja vista que a idosa não tem nenhuma condição de ficar sem acompanhante, pois está com demência e é totalmente dependente para tudo. Se essa exigência for mantida, farei um BO na Delegacia do Idoso.
Silvio Rodrigues - Santos 

Máscaras obrigatórias

Acredito que o senhor prefeito está correto ao determinar o uso obrigatório de máscara para os moradores de Santos e multa para aqueles que descumprirem a exigência. Esta decisão foi tomada a partir do que dizem especialistas, como os infectologistas. Outras atitudes, que desagradam pequena parcela da população, também foram propostas, ouvindo a área da Saúde. Aprovado também, na Câmara dos Deputados, projeto que obriga o uso da máscara em todo o território nacional, ratificando sua necessidade para proteção da população. Sejamos resilientes. Vai passar. Cada paralelepípedo desta cidade se transformará em um novo tempo.
Obed Zelinchi de Arruda - Santos

Momento de união

Fui comerciante por quase duas décadas. Conheço o presidente do CDL Santos-Praia, Nicolau Obeidi, a quem sempre considerei pessoa civilizada e sensata. Mesmo entendendo a dificuldade em que se encontra parte do comércio de Santos, tenho estranhado suas posições. Tentar desqualificar a autoridade pública, sem avaliar o momento tão grave, de enorme pressão de todos os lados e sua responsabilidade com o destino de toda população, é desqualificar a si próprio. A situação exige diálogo, por mais cansativo e longo que seja. A inusitada pandemia nos obriga a ter equilíbrio, trabalho e parcimônia nas decisões. E isto tem ocorrido. Respostas imediatas podem trazer consequências nefastas. Espantou-me também que, em reunião pautada para a retomada gradativa do comércio e outras atividades, o senhor Obeidi declarasse esperar "menos planejamento e mais execução". Pior ainda, "com muito planejamento não se anda". Desculpe-me, é exatamente o oposto. Esse pensamento fere qualquer princípio moderno de administração, levando-nos de volta ao atraso e à ineficiência. O momento é de permanecermos unidos, com crença e resiliência, e sem política, sem ranço e corporativismo. Para o bem de Santos. Para o bem de todos.
Juan Manuel Villarnobo Filho - Santos

Contratação emergencial

Em nota publicada na internet de A Tribuna, foi divulgado que a Prefeitura de Santos havia alterado as regras de Contratações Emergenciais, através da Lei 650/90. Tendo em vista o atual cenário que passamos, não só no que se refere a pandemia do coronavírus, mas também devido ao desemprego, acredito que estamos no momento ideal para colocar em prática tal medida. Com certeza, há pessoas capacitadas e qualificadas para a prestação de serviços nas áreas mais solicitadas atualmente, mas que se estão sem emprego no momento.
Flávio Santos - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.