Tribuna do leitor - 23 de setembro de 2020

Na edição desta quarta-feira (23), participações de Carlos D. N. da Gama Neto, Orlando Machado, Jonas Laurenny, Michael Peuser e Sonia Ramos

Desserviço

Enquanto se aguarda por mais de um ano, que a Fundação Biblioteca Nacional analise e conceda o registro de obras literárias (textos e personagens), a Câmara Brasileira do Livro já oferece o mesmo serviço em tempo reduzido, mas com custos mais que duplicados, naturalmente. Hoje, um envelope enviado de Santos para o bairro dos Campos Elíseos, na capital, através de Sedex, com custo de R$ 24,59 leva exatamente trinta e seis horas para chegar ao seu destino. Nem indo a pé! Parece-nos que tanto um quanto o outro exemplo fazem parte da estratégia de “privatização” dos serviços públicos, buscando o apoio da sociedade insatisfeita com a precaríssima prestação de alguns serviços. Enquanto isso, atividades públicas não sujeitas a serem transformadas em privadas, permanecem com exemplar e eficaz atendimento à distância, com seus funcionários se dedicando com afinco ao trabalho através da internet.
Carlos D. N. da Gama Neto - Santos

Pandemia

Que a pandemia, além de ceifar vidas, também trouxe enormes prejuizos a todos os setores da sociedade, inclusive ao esporte, em especial aos clubes de futebol é um fato incontestável e do conhecimento de todos. Mas, o que incomoda o torcedor santista são as constantes noticias sobre dividas, calotes e punições aplicadas pela Fifa ao clube, sem merecer explicações claras da diretoria. Acho que seria de bom alvitre que o presidente viesse a público expor a real situação dos casos pendentes e quais as providencias que estão sendo tomadas, evitando-se com isso, noticias tendenciosas e até gozações de adversários pelas redes sociais. O Santos por sua grandiosidade merece respeito.
Orlando Machado - Santos

Ponto de vista

Foram publicadas fotos e in loco viu-se um mar de gente nas praias, homens, mulheres, jovens e crianças, fato atribuído às altas temperaturas e à maior flexibilização na Baixada nesta fase amarela do Plano São Paulo. Volta e meia lemos no noticiário a negativa dos pais em mandar seus filhos às escolas por medo de eles contraírem o vírus. Muitos são favoráveis a enviá-los aos colégios apenas em 2021, outros, apenas quando houver vacina contra o coronavírus. Cada um defende sua prole à sua maneira, no entanto o que mais vemos na Baixada Santista são pessoas acompanhadas de filhos grandes e pequenos à beira-mar, sem se incomodarem se o vírus circula por lá ou não, tudo isso sem a mínima proteção (máscaras), na maioria das vezes apensas ao queixo ou penduradas na orelha e sem o respectivo distanciamento social. Pesos e medidas diferentes, para opiniões diferentes. Valha-nos Deus...
Jonas Laurenny - Santos

Corrupção na Alemanha

Se na Alemanha um funcionário público se envolve na corrupção sofre dois processos. Um criminal e um administrativo. Se o funcionário público for condenado no processo criminal, depois no processo administrativo ele perde a pensão. Funcionários público não recolhem nada para a pensão, mas com uma condenação perdem este direto. Por exemplo: Um policial nem pode receber um cigarro durante o seu serviço.
Michael Peuser - Santos

Pombos

Estamos com um hiper população destas aves, quais os motivos que foram responsáveis por este desequilíbrio ecológico. Se estudarmos vamos ver que são muitos motivos mais todos gerados pelos seres humanos. A destruição das matas e consequente diminuição dos seus predadores, arquitetura que possibilita os ninhos, alimentos em demasia nas regiões portuárias e pelos lixos mal acondicionados etc. Não concordo com o artigo do nobre articulista João Caramez onde o mesmo compara pombos a galinhas .Nada a ver pois as galinhas são aves de postura e não tem proteção ambiental.Existem países que ganham com o turismo e utilizam os pombos com ferramentas de atração de publico. Temos que proteger os animais e as aves e estudarmos métodos de controle sem matança e sofrimento dos nosso irmãos menores . 
Sonia Ramos - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.