Tribuna do leitor - 22 de setembro de 2020

Na edição desta terça-feira (22), participações de Mário Azevedo Alexandre, Wagner Fernandes Guardia, Édison José de Aguiar, Édison José de Aguiar e Carlos Sulzer

Seitetsu Iha

Se existe uma pessoa em que podemos nos espelhar e seguir seus conselhos, se chama Seitetsu Iha, ou simplesmente Engenheiro Iha, pessoa de um caráter sem igual, uma índole em poder ajudar o próximo e prestativo nas suas atitudes, funcionário da Codesavi, depois da Prefeitura de São Vicente, onde chegou a ocupar o cargo de secretario. Colaborador nas causas mais nobres, principalmente, em recepcionar as comitivas que vinham do Japão para São Vicente, organizando juntamente com a Associação Amigos de Naha, no convênio de Cidades Irmãs, Iha nos deixou um legado, foi mais uma vítima da covid-19, com ele aprendemos muito o significado de ética de um ser humano. A Associação Amigos de Naha ficou órfã de seu líder maior, porém, seu exemplo ficará marcado em nossas memórias, assim como seu exemplo de amigo e companheiro, nesses dias tão difíceis, em que estamos passando. Descanse em paz Eng. Iha, e que Deus conforte sua família.
Mário Azevedo Alexandre - São Vicente

Incoerência

Não seria uma incoerência falar que trabalha em conjunto para restaurar a democracia na Venezuela mas rotula como vilões os críticos, reage agressivamente a questionamentos, reclama dos jornalistas e interfere em órgãos buscando preservar família, amigos e a si próprio?
Wagner Fernandes Guardia - São Vicente

Artigo de luxo

O desemprego é um problema fundamental por aqui. Ter um emprego virou artigo de luxo. Ninguém mais acha. E, quando encontra é um trabalho ruim, que paga mal e sem carteira de trabalho. Se o trabalhador tem 50 anos ou mais, pode esquecer, Cumpre ao governo buscar soluções com a urgência que o problema requer. Mas o Guedes parece alienado aos fatos. Estamos perdidos, urge, portanto, que os candidatos a prefeito e vereador das próximas eleições apresentem propostas para amenizar esse grave problema social.
Édison José de Aguiar - Cubatão

Calçadas

Existe uma legislação desde 2017 para a reforma e padronização das calçadas em Santos, mas parece que não vem funcionando. Os incidentes com pessoas que tropeçam e caem nas vias públicas são lamentáveis, pois uma cidade plana como Santos deveria zelar pela segurança de seus moradores, que na sua maioria são pessoas idosas e com dificuldade de caminhar. Se existe uma lei, por que não cumprir? Falta fiscalização? Atualmente, as reformas autorizadas precisam ser feitas dentro da padronização exigida. Mas a Prefeitura poderia planejar e impor a reforma das calçadas, paulatinamente, por região, notificando os proprietários. No mês passado, uma parente, caiu na calçada da praia, no bairro do Embaré, machucando o tornozelo e o joelho. Outras pessoas, é de conhecimento, caem e se machucam muito mais. Se cada um fizer a sua parte a cidade ganhará muito em qualidade de vida e seus moradores agradecem. 
Solange Vasconcelos Ruas - Santos

SANTOS FC

É incrível como uma falta de gestão profissional pode arrasar a história de um dos maiores times do futebol mundial. Após inúmeras transações de jogadores, vendendo ou comprando, sempre a gestão do Santos FC, deixa uma rabo preso, seja com o jogador, com o clubes, com procurador, e sempre o time continua devendo seja salários, não honrando obrigações assumidas. Uma falta total de compromisso e expondo esse clube a uma vergonha e titulado de mau pagador. Esta certo que não é o único nesse meio, mas estamos falando do Santos F.C, que está por enquanto com 2 punições por falta de pagamentos, o que lhe impede de registrar novos jogares no seu plantel. O que essa gestão está fazendo? Aguardando novas punições que sabem bem que estão em andamento na Fifa? Ou vai esperar punições mais severas como a perda de pontos nos campeonatos nacionais, que podem levar essa lenda de time a zona de rebaixamento o que complicaria ainda mais a terrível situação financeira.
Carlos Sulzer - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.