EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

6 de Agosto de 2020

Tribuna do Leitor - 21 de junho de 2020

Na edição deste domingo (21) , participações de Carlos Eduardo P. Machado, Josemilton de S. e Silva, João Baptista Herkenhoff e Grupo de Proteção da Família e da Cidadania

Pegadinha

Em plena pandemia, a CET continua ávida por recursos! Apesar de estarmos sofrendo emocional e financeiramente nestes tempos difíceis, somos induzidos a uma "pegadinha" pela CET, que vem nos onerar e demonstrar o quanto somos impotentes. No dia oito deste mês, uma segunda-feira, por volta das 15 horas, estacionei meu carro em frente ao nº 754 da av. Conselheiro Nébias. Não há nenhuma sinalização avisando é proibido estacionar nesse local em qualquer horário. Não levei sequer 10 minutos para entregar um envelope, motivo da minha escapada da quarentena. Mas, quando retornei, já havia um guincho e uma viatura da CET (nº 526, placas GDW 0795), com uma exímia agente de trânsito finalizando a autuação do meu veículo, sem, entretanto, entregar a minha via. Tentei explicar que, no entorno desse prédio comercial, não existe nenhuma sinalização a respeito de tal proibição. A agente justificou que existem placas nas proximidades da rua Azevedo Sodré, que fica a uma distância considerável do local onde estacionei. Diante do exposto, não me restou alternativa, a não ser retornar ao meu confinamento doméstico e esperar o carteiro. A pergunta que não quer calar é se o guincho e a viatura fazem plantão nas proximidades do citado local, por saber que a falta de sinalização induz muitos motoristas, como eu, a cometerem a infração. Que tal fazer um levantamento de quantas multas já foram aplicadas nesse local e providenciar a colocação da devida sinalização? Ou o objetivo é só arrecadar? Acredito muito na ética do nosso prefeito, responsável direto pela CET. Com certeza, ele não sabe dessa falha na sinalização e nos aparentes procedimentos. Aguardo um posicionamento da CET.
Carlos Eduardo P. Machado - Santos

Entrega de mercadorias

Gostaria de saber a quem compete resolver o problema crônico da entrega de compras pelos Correios. Agora, durante esta terrível pandemia, mais do que antes, grande parte da população faz compras pela internet. Como fazer para que suas compras sejam entregues em seus endereços se, mesmo pagando o valor do frete, os Correios não realizam esse serviço aqui? Estou à espera de uma peça para o meu carro, que o chaveiro comprou pela internet no dia quatro de junho, e não chegou até agora. Se ao fazermos a nossa compra, pagamos também o frete, por que temos que ir buscar as mercadorias nas agências dos Correios? Sendo que, nem ao menos, o valor do frete é devolvido. E, no caso do aviso de que as mercadorias estão nas agências dos Correios, temos que enfrentar filas enormes, sob chuva ou sol. Por que as autoridades não intervêm a favor da população contra essa falta de respeito? 
Josemilton de S. e Silva - Guarujá

Serenidade

A Justiça deve ser serena. A autoridade da toga não se assenta nos rompantes de autoritarismo, mas na imparcialidade das decisões e na retidão moral dos julgadores. O magistrado deve ser tão virtuosamente equilibrado, equânime, que até o vencido deve respeitá-lo, embora recorra do julgamento desfavorável. Como disse com muita precisão Georges Duhamel, "a verdadeira serenidade não é a ausência de paixão, mas a paixão contida, o ímpeto domado". Ou como nos ensina Epicuro ao afirmar que a serenidade espiritual é o fruto máximo da Justiça.
João Baptista Herkenhoff - Espírito Santo

Aulas suspensas 

Importante notícia informa que a suspensão das aulas teve um efeito positivo na Europa, evitando três milhões de mortes. Esperamos que o Brasil possa concluir o ano letivo de 2020 com as aulas presenciais suspensas, mantendo as atividades escolares a distância. A recomendação estende-se também a cultos religiosos, atividades esportivas, shows, eventos culturais e outros. Manter essas atividades a distância, por videoconferência, é evitar milhares de mortes e mais pessoas internadas na UTI. Também seria bom alterar a data das Eleições para o próximo ano. Melhor saúde, menos mortes e mais qualidade de vida. 
Grupo de Proteção da Família e da Cidadania - Santos

 

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.