Tribuna do Leitor - 18 de janeiro de 2021

Na edição desta segunda-feira (18), participações de Ademir Alonso Rodrigues, Orlando Machado, Valter José Vieira, Uriel Villas Boas, Wagner Fernandes Guardia e Viviane Secco Ramo Helio

Diversidade

Em reportagens sobre o tema diversidade nas últimas eleições, menciona-se quantidade de cargos ocupados por mulheres, pretos e pardos. Mas, onde estão as demais raças que integram e constroem este país? Os asiáticos, por exemplo, tendo os japoneses com maior participação nesse nicho? Por outro lado, no banco de candidatos disponíveis para os gestores pinçarem seus preferidos, qual é a participação de cada grupo? Em suma, não importa a cor ou credo, o que se busca, ou deveria se buscar, é a competência e a formação acadêmica para ocupar qualquer cargo público ou privado, ou seja, o mérito deveria prevalecer. Estabelecer cotas é um retrocesso àquelas premissas e, aí sim, uma discriminação em relação aos outros componentes da população. Se quisermos ter uma boa administração, pública ou privada, devemos buscar a excelência, caso contrário, estaremos caminhando para a mediocridade.
Ademir Alonso Rodrigues - Santos

Ressaca pandêmica

Entre o otimismo do ministro Paulo Guedes, dizendo que a economia brasileira surpreende ao apresentar evidentes sinais de progresso, podendo atingir um índice de crescimento de 4% neste ano, e o pessimismo do presidente Jair Bolsonaro, que recentemente afirmou que o Brasil está quebrado, surgem as inesperadas e péssimas notícias do encerramento das atividades da Ford no Brasil e fechamento de agências do Banco do Brasil. A instituição financeira pretende encerrar mais de 360 agências, causando a demissão de 5 mil funcionários, enquanto a montadora está providenciando o fechamento da unidade de Camaçari na Bahia e a de Taubaté, no Interior de São Paulo, aumentando o desemprego no país. O ano mal começa e os efeitos maléficos da covid-19 já se fazem sentir.
Orlando Machado - Santos

Torre de Babel

Este país é uma Torre de Babel com 33 partidos com vários vieses políticos, intricada burocracia, estrutura bancada pelos contribuintes, dívidas de trilhões e centenas de estatais deficitárias. A campanha do “petróleo é nosso” prosperou de forma imprevista, elevando a dívida da Petrobras, mesmo tendo a seu favor a reserva de mercado. Petroleiras multinacionais vêm explorar, pagam milhões pela autorização e, obviamente, obtém resultados positivos. Qual a política? Qual o milagre? O governo tem conhecimento do programa de energias alternativas e o petróleo que não for explorado, lá permanecerá. Perdemos referência nos poderes. Neste vácuo de governabilidade, a China prospera, e muitos país já perderam sua autonomia.
Valter José Vieira - São Vicente

Comemoração diferente

Os dois times paulistas que vão disputar o título da Libertadores no Rio de Janeiro deixaram seus torcedores muito animados. A derrubada dos argentinos foi emocionante, por certo. Mas há uma situação que precisa ser avaliada pelos dirigentes e torcidas organizadas. Estamos em um momento muito preocupante com a pandemia, que não mostra diminuição da contaminação. É um momento para comemoração do título de uma forma diferente. As faixas, os apitos, fogos, tudo a partir de locais reservados. É o que pretendo fazer se meu time ganhar.
Uriel Villas Boas - Santos

Libertadores

Sou corintiano e fico contente em ver dois clubes brasileiros na final da Libertadores. Brasileiros decidindo o título no Brasil. Aproveito para parabenizar em especial o Santos, que decidiu a sua vaga na final com jogo limpo, bonito, com direito à golaço e sacramentando um sonoro 3 X 0 em cima do Boca Juniors, fazendo com que este pagasse caro pela tentativa de favorecimento e ações desleais na primeira partida.
Wagner Fernandes Guardia - São Vicente

Genocidas

Estou cansada de assistir a nossa nação ser governada por políticos que não gostam de pessoas. O País inteiro sofre com a falta de empatia dos nossos governantes diante dessa grave crise sanitária, que assola o mundo. Mas o que está acontecendo no Amazonas é surreal. A população está morrendo por falta de oxigênio nos hospitais! É aterrorizante! É cruel! Precisamos de governantes que gostem de pessoas. Porque o que estamos assistindo é um bando de genocidas comandando o nosso Brasil.
Viviane Secco Ramo Helio - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.