Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Um dia para homenagear os heróis do Haiti

No dia 12 de janeiro de 2010, 18 heróis brasileiros perderam sua vida durante o terremoto de magnitude 7 que devastou Porto Príncipe, provocando uma crise humanitária sem precedentes

Coronel Emilio Carlos Torres dos Santos; Coronel João Eliseu Souza Zanin; Tenente-coronel Marcus Vinícius Macedo Cysneiros; Major Francisco Adolfo Vianna Martins Filho; Major Marcio Guimarães Martins; 1º Tenente Bruno Ribeiro Mário; Subtenente Raniel Batista de Camargos; 2º Sargento Davi Ramos de Lima; 2º Sargento Leonardo de Castro Carvalho; 3º Sargento Rodrigo de Souza Lima; Cabo Ari Dirceu Fernandes Júnior; Cabo Washington Luiz de Souza Seraphim; Cabo Douglas Pedrotti Neckel; Soldado Antonio José Anacleto; Soldado Tiago Anaya Detimermani; Soldado Felipe Gonçalves Júlio; Soldado Rodrigo Augusto da Silva; e Soldado Kleber da Silva Santos. Esses são os nomes dos 18 heróis brasileiros que, no dia 12 de janeiro de 2010, perderam sua vida durante o terremoto de magnitude 7 que devastou Porto Príncipe, provocando uma crise humanitária sem precedentes. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Dois desses militares, o cabo Ari Dirceu Fernandes Júnior e o soldado Kleber da Silva Santos, serviam em São Vicente. Eles integravam a Força de Paz da Organização das Nações Unidas, sob o comando do Exército Brasileiro. São verdadeiros heróis da nossa região, que precisam receber o reconhecimento e valorização tão merecidos a quem perdeu a vida para ajudar os mais necessitados. A memória deles precisa ser preservada para que suas histórias sirvam de exemplo para as futuras gerações. 

Por isso, todos os anos, saudamos a memória desses 18 militares que integravam a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH). Eles estavam no país em uma missão de caráter humanitário e perderam suas vidas para ajudar a população, cumprindo o seu dever. O terremoto, considerado o quinto mais grave da história do mundo, deixou 200 mil mortos, 300 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigados. O desastre natural deixou um rastro de destruição. Milhares de edifícios foram completamente danificados, incluindo o Palácio Presidencial, o edifício do Parlamento e a sede da MINUSTAH.

Se antes a presença dos militares já era importante, depois da catástrofe, se tornou essencial não só para a manutenção da paz, mas para as ações de resgate, de assistência humanitária e de reconstrução do país. Nossos militares que sobreviveram ao terremoto ajudaram a distribuir milhares de toneladas de alimentos, fizeram milhares de atendimentos médicos, inclusive cirurgias, e atenderam aproximadamente 40 mil pessoas.

Criada em 2004, a MINUSTAH tinha a função de conter a deflagração de uma guerra civil naquele país. Durante 13 anos, foram nossos militares que comandaram a missão, restaurando a segurança e a paz em vários pontos do país. 

A atuação de todos no Haiti é motivo de orgulho não só para o Exército, mas para os brasileiros. Aos nossos heróis, o eterno agradecimento, respeito e reverência. Vocês nunca sairão das nossas memórias e preces!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.