Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

No dia 15, escolha quem entende a importância da Escola Cívico Militar

Não adianta não fazer sua parte, não pesquisar as propostas dos candidatos, e querer cobrar depois que ele faça coisas que não estão no seu plano de governo e mandato

Acabar com a violência escolar, fazer os alunos voltarem a respeitar os professores e melhorar os índices que medem a qualidade da educação pública é um desafio e tanto para os governos em todos os níveis, municipal, estadual ou federal. Um ambiente em que docentes e funcionários sejam tratados com respeito, e onde a violência não tenha vez, estimula o aprendizado, além de valorizar os profissionais que cuidam do futuro do nosso país. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

Com o passar das gerações, assistimos a uma decadência de valores como o respeito e a disciplina. As relações entre os jovens e seus professores foi duramente afetada por essa falência moral da nossa sociedade. E resolver isso é tarefa para agora!

Um dos projetos que pode reduzir a violência escolar, melhorar a qualidade do ensino público e valorizar os docentes é a Escola Cívico-Militar. Com esse modelo, militares da reserva atuam para administrar unidades e cuidar da parte disciplinar. Mostram aos estudantes valores como patriotismo, respeito, disciplina. 

Professores e as secretarias de Educação continuam sendo responsáveis pelo conteúdo em sala de aula. Experiências bem-sucedidas Brasil afora apontam que o modelo permite a redução da violência escolar e aumento das notas do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica): enquanto nas escolas tradicionais a média é de 4,94, nas escolas militares, salta para 6,99.  

Se você defende que seu município abrigue escola cívico-militar por meio do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), em parceria com o governo federal, escolha prefeitos e vereadores que apoiem esse projeto. Isso porque, para que um município seja contemplado, precisa haver uma solicitação oficial do prefeito ao Ministério da Educação (MEC). 

Este projeto depende que o Executivo manifeste interesse e inscreva a cidade, mas o apoio de vereadores também é fundamental para o seu sucesso.  Se você quer a melhoria na qualidade do ensino das escolas públicas, tem a chance de, no dia 15 de novembro, escolher representantes comprometidos com os seus ideais.  

Não adianta não fazer sua parte, não pesquisar as propostas dos candidatos, e querer cobrar depois que ele faça coisas que não estão no seu plano de governo e mandato. Por isso, é fundamental escolher quem está comprometido com a melhoria da educação e da nossa sociedade. Vote consciente!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.