Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Leilão de terminais trará investimentos ao Porto de Santos e geração de empregos

A concessão faz parte do plano Pró-Brasil, que tem o objetivo de impulsionar a retomada da economia, criar empregos e gerar renda no período pós-pandemia

Na última sexta-feira (28/8), o Governo Federal deu um grande passo de investimento que auxiliará no crescimento da Baixada Santista e impulsionará a geração de empregos. Na Bolsa de Valores de São Paulo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ‘bateu o martelo’ e foram leiloados dois terminais de celulose do Porto de Santos. A concessão faz parte do plano Pró-Brasil, que tem o objetivo de impulsionar a retomada da economia, criar empregos e gerar renda no período pós-pandemia.

Nesta primeira concessão, o Governo arrecadou R$ 505 milhões. Um dos terminais foi arrematado pelo consórcio Eldorado Brasil Celulose por R$ 250 milhões, enquanto o outro foi cedido por R$ 255 milhões para o consórcio Bracell SP Celulose. As empresas agora têm o direito de utilizar os espaços por 25 anos, previstos em contrato.

A previsão é de que os terminais criem mais de 7.600 empregos (diretos e indiretos) e que recebam cerca de R$ 420 milhões em investimentos, inclusive em acessos rodoferroviários. O leilão também vai render mais R$ 110,9 milhões à administradora do porto, a Autoridade Portuária de Santos (SPA, sigla em inglês), que poderá garantir melhor infraestrutura e segurança no local ao reinvestir o dinheiro.  

É a maneira mais eficaz de atrair investimentos, melhorar um serviço e criar empregos sem sobrecarregar o Estado. 
Esse leilão realizado pelo Governo Federal vem em um importante momento, quando o Brasil prepara a retomada da economia e terá a missão de amenizar os danos causados pela pandemia de coronavírus na nossa Baixada Santista. Somente em julho, a nossa região fechou 1.502 postos de trabalho. Mas os prejuízos são maiores: de janeiro a julho, o desemprego cresceu em 85% quando comparado ao mesmo período de 2019. 

Algo tem que ser feito. E de forma urgente. O Governo Federal vem fazendo a sua parte. Além do investimento em uma das principais ferramentas da Baixada Santista e do Estado de São Paulo, e de aumentar o acesso portuário às empresas, estas concessões trarão um respiro à economia. 

Este foi somente o primeiro leilão do Pró-Brasil, que trará mais progresso para o Brasil com desestatização e enxugamento da máquina pública, e ainda atrairá investimentos privados na realização de obras públicas tão necessária à nossa região e ao nosso Estado.

O Pró-Brasil se inicia em grande estilo, nos dando esperanças de uma retomada econômica eficaz e de desenvolvimento do país. O povo precisa de medidas que enfrentem as consequências deste período de crise e tragam o bem-estar para a sociedade, sem onerar ainda mais o Estado.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.