Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Conseguimos: SP vai aderir ao modelo de Escola Cívico-Militar

Agora, as escolas estaduais de todo o Estado poderão participar do programa

Na semana passada, o Estado de São Paulo deu um importante passo para melhorar a educação pública dos seus jovens. Depois de intenso trabalho deste deputado, negociações e reuniões envolvendo o Ministério da Educação (MEC), o secretário da Educação Rossieli Soares da Silva e o diretor do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), Gilson Passos, o Estado de São Paulo aderiu ao programa.  

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Agora, as escolas estaduais de todo o Estado poderão participar do programa que apresenta um salto no índice de qualidade do ensino público. Neste modelo, os professores continuam responsáveis por toda parte educacional, enquanto militares da reserva auxiliam na administração da unidade e na parte disciplinar. 

Quando assumi a vaga na Alesp, uma das primeiras ações foi criar a Frente Parlamentar pela Criação das Escolas Militares no Estado de São Paulo. Fiz isso porque conheço a gestão das escolas cívico-militares e sei dos resultados positivos. Eu, e todos os membros do meu gabinete, trabalhamos duro para que os jovens do nosso estado tenham a educação de qualidade que merecem. 

Uma análise do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) obtido nas escolas que aderiram ao Pecim revelam o salto na qualidade: enquanto nas escolas tradicionais a média é de 4,94, no novo modelo o índice chega a 6,99. Outro dado relevante é que das vinte melhores escolas públicas do país, quatro são militares. 

Mas esse não é o único ganho. Há a valorização dos professores e demais profissionais, que passam a contar com um ambiente onde existe mais respeito e disciplina. Outro aspecto positivo é a redução dos índices de violência escolar.

A conquista da última semana começou em 2019, quando o MEC lançou a primeira portaria, mas o estado acabou não aderindo. Em 2020, lutamos muito para, através da adesão direta dos municípios, levar as escolas cívico-militares para a população. E conseguimos. A escola Matheus Maylasky, em Sorocaba, e a Professor Jorge Bierrenbach Senra, em São Vicente, foram escolhidas para receber o modelo. 

Ao mesmo tempo, nos reunimos por diversas vezes com o secretário Rossieli e intermediamos a participação do Estado com o MEC. O termo de adesão foi assinado na quinta-feira passada. E é uma importante vitória para todos que querem um futuro melhor para os nossos jovens. 


A partir deste ano, escolas estaduais que desejarem participar do programa podem procurar a Secretaria da Educação, que ficará responsável pela escolha. O processo de adesão, segundo o secretário, será anunciado em breve. 

Os próximos passos, após adesão, serão a escolha dos dois municípios, a escolha das duas escolas estaduais e a audiência e consulta pública com a comunidade escolar. E vamos em frente, sempre buscando uma educação de qualidade para os nossos jovens!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.