EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018

Braço forte, mão amiga. Dia 19 de abril, Dia do Exército

Dia do Exército é celebrado em memória à Batalha dos Guararapes, que ocorreu em abril de 1648

O Dia do Exército é celebrado em 19 de abril em memória à Batalha dos Guararapes, que ocorreu em 19 de abril de 1648, em Pernambuco. Nesse episódio, um grupo de brasileiros de diferentes etnias se reuniu pela primeira vez para combater a dominação holandesa. Para alguns estudiosos, as batalhas ocorridas nos Montes Guararapes constituíram o início do fim das invasões holandesas no Brasil. A história do Exército Brasileiro começa, oficialmente, com a Independência do Brasil, em 1822.

O Exército Brasileiro possui forte tradição em ações cívico-sociais, especialmente nas missões de paz. A primeira ocorreu em 1947, quando observadores militares foram enviados para os Bálcãs. A mais longa foi no Oriente Médio e durou de 1957 a 1967, com a participação de 600 homens. Em 1994, foram enviadas tropas para Moçambique. Em 1995, foi a vez de Angola, sendo enviado um contingente de mais de mil homens.

Uma das principais missões foi a do Haiti, que começou em 2014, com 1.200 soldados. O país sofreu um terremoto em 2010, ocasionando a morte de 220 mil pessoas, levando a região a um verdadeiro colapso. Com a atuação do Exército, a criminalidade diminuiu, garantindo estabilidade. Além disso, o Exército promoveu atividades como distribuição de água e alimentos, atendimento de saúde e cursos de socorrista comunitário. O Brasil enviou auxílio para diversos outros países, como Colômbia, Libéria, Costa do Marfim, Chipre, Líbano, Sudão e República Democrática do Congo.

Aqui, os principais programas sociais desenvolvidos são o Projeto Soldado Cidadão, o Programa Calha Norte (PCN), o Projeto Rondon e o Programa Forças no Esporte (PROFESP). O PCN, por exemplo, abrange 379 municípios, distribuídos em oito estados: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima. A vertente civil do programa atua na promoção do desenvolvimento regional, com a construção de estradas, escolas, hospitais, portos, a implantação de rede elétrica urbana e rural, entre outros.

A vertente militar desempenha ações em prol do desenvolvimento sustentável regional, com a adequação de embarcações e o ajustamento das unidades militares e da infraestrutura dos pelotões especiais de fronteira. São quase nove milhões de brasileiros beneficiados, incluindo 46% da população indígena - em uma área que corresponde a 44% do território nacional.

Ainda dentro do nosso país, é corriqueiro que o Exército auxilie em algumas obras de infraestrutura, com o objetivo de dar celeridade à entrega. São alguns exemplos a pavimentação da rodovia BR-163, no Pará; obras de engenharia na rodovia BR-432, no interior do Estado de Roraima; e obras relacionadas à transposição do Rio São Francisco, como a revitalização de suas margens, que, nesse caso, nos trechos executados pelo Exército, andou de 3 a 5 vezes mais rápido quando comparado com empreiteiras.

Alguns eventos acontecerão em comemoração à data. Em Guarujá, no dia 17 de abril, quarta-feira, haverá uma solenidade na 1ª Brigada Antiaérea, no Forte dos Andradas. Já em São Paulo, a solenidade acontecerá dia 18, quinta-feira, no QG do Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera.

Com muita honra e orgulho, pertenço a essa instituição que me muniu de valores e preceitos que levo para minha vida. Honestidade, disciplina, perseverança, civismo e patriotismo são somente alguns deles. Serei eternamente grato ao Exército de Caxias. Parabéns e muito obrigado, Exército Brasileiro! BRASIL ACIMA DE TUDO!

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.