Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Baixada Santista será região com mais escolas cívico-militares no Estado

Aqui na região, já estão confirmadas unidades em Santos, Guarujá e São Vicente

A Baixada Santista será a região do Estado de São Paulo que terá mais unidades de escolas cívico-militares. O dado foi confirmado na semana passada, quando estivemos em Brasília e nos reunimos com o diretor de Políticas para Escolas Cívico-Militares da Secretaria de Educação Básica (SEB), o tenente-coronel Gilson Passos de Oliveira. Também fizemos reunião com o ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Na ocasião, agradeci aos dois por todo o comprometimento com a expansão do modelo e pelo excelente trabalho realizado pela Educação do nosso país até o momento.

Aqui na região, já estão confirmadas unidades em Santos, Guarujá e São Vicente. A cidade vicentina já teve a escolha da Escola Municipal Professor Jorge Bierrenbach Senra para ser convertida ao modelo. Na semana passada, inclusive, realizamos a primeira audiência pública com a comunidade local para apresentação do projeto.

Em Brasília, ainda aproveitamos para indicar Praia Grande para receber o programa em 2022, assim como São Paulo, Guarulhos, Lins e Miracatu.

A Escola Municipal Matheus Maylasky, em Sorocaba, já iniciou o processo de conversão que deve ser concluído ainda no primeiro semestre deste ano. Outras unidades em Barrinha, Bauru, Pirassununga, Taquaritinga e Taubaté serão anunciadas em breve.

Com muito trabalho e efetividade estamos espalhando diversas escolas cívico-militares pelo Estado e queremos muito mais. Com a aprovação do nosso projeto de lei que institui a implementação do modelo na rede pública estadual de ensino, por meio da Secretaria da Educação, a tendência é que tenhamos ainda mais facilidade em expandir essas unidades e proporcionar a mais crianças e jovens que moram em áreas de vulnerabilidade social a oportunidade de ter um ensino gratuito de qualidade e maior segurança, disciplina e respeito no ambiente escolar.

Lembro sempre que, no modelo cívico-militar, os militares dão suporte na parte administrativa, disciplinar e na educação moral e cívica. A parte pedagógica continua integralmente de responsabilidade dos professores.

A melhoria na qualidade da educação é comprovada nos locais que são convertidos a esse modelo pelo aumento nas médias no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). São diversos exemplos com bons resultados pelo Brasil como em Manaus, Anápolis, Brasília e Goiânia. Na cidade de Anápolis, por exemplo, que em 2011 passou a ter uma escola cívico-militar, a média do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) que era de 4,7 passou para 7,5 após a conversão. Desde então, a unidade vem evoluindo cada vez mais.

Como presidente da Frente Parlamentar pela Implementação das Escolas Cívico-Militares, na Alesp, muito me gratifica saber que São Paulo será o Estado com mais unidades do Brasil, sendo no mínimo quatro na Baixada Santista. 

Seguiremos na luta para concluir todos os processos que estão abertos e para que cada vez mais municípios sejam contemplados com o programa. A Educação é uma das prioridades do meu mandato e, com o fortalecimento dessa área, teremos um futuro de muito crescimento e desenvolvimento.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.