EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

5 de Dezembro de 2019

Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018

A guerra diária dos policiais na Baixada Santista

Este ano, pelo menos dois policiais da nossa região foram mortos e outros dois foram gravemente feridos

Apesar de toda defasagem salarial, de infraestrutura e equipamentos, os índices de criminalidade vêm caindo ano a ano, graças ao trabalho de homens e mulheres de nossa força policial que se dedicam, e muito, para que isso aconteça. Mas, a Baixada Santista está longe de ser um lugar seguro para os agentes de segurança.

Este ano, pelo menos dois policiais da nossa região foram mortos e outros dois foram gravemente feridos. Aqui, os agentes de segurança pública, responsáveis por fazer a sociedade se sentir segura, travam uma guerra diária contra a criminalidade e são alvos constantes dos bandidos não só quando estão trabalhando, mas, principalmente, nos momentos de folga.

Nossa região é uma das mais perigosas do estado para o trabalho policial. Desde 2001, segundo dados da PM, pelo menos 90 policiais foram mortos. Nos casos mais recentes, somente num período de quatro dias - entre 9 e 13 de julho -, três policiais foram vítimas de criminosos em Santos.

Na terça-feira (9), três bandidos foram presos por atirarem contra uma viatura da Polícia Militar. Na sexta-feira (12), um soldado da PM foi baleado nas costas durante patrulhamento no Morro São Bento. E, no sábado (13) à noite, um policial militar de folga sofreu uma tentativa de homicídio na frente de casa, no bairro Rádio Clube. Um homem de bicicleta passou pelo policial e disparou. O criminoso fugiu e ainda não havia sido identificado até o fechamento desta coluna.

Esse PM poderia ter entrado para o rol dos agentes de segurança mortos fora de combate justamente por terem escolhido a profissão. Mas, contou com a ajuda do acaso: a arma usada pelo bandido falhou. Os militares Daniel Gonçalves Correa e Vitor de Oliveira Farias não tiveram essa sorte.

Não é fácil ser policial no Brasil, os salários são baixos e os altos índices de criminalidade ampliam os riscos. Quem vai querer arriscar a vida todos os dias por um salário que não confere segurança e conforto financeiros? É uma missão exclusiva para heróis. E nós temos milhares deles. 

De acordo com o anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 371 policiais foram assassinados no Brasil em 2017. A maioria das mortes, 290, aconteceu durante a folga. Rio de Janeiro lidera o ranking dos estados mais violentos para ser um policial. São Paulo é o segundo colocado, um título nada honroso. Na Baixada Santista, esse índice é um dos mais altos de todo o estado.

Uma das linhas de frente do nosso mandato é contribuir para a valorização dos policiais, para melhorar as condições de trabalho e incrementar a segurança pública na nossa região e no estado. E uma das ações que estamos tomando neste sentido é trazer para Santos câmeras de monitoramento com reconhecimento facial, que podem contribuir muito para inibir o crime e identificar bandidos.

A busca por recursos tecnológicos que auxiliem as polícias em sua missão é uma grande frente de atuação do meu gabinete. Visitamos institutos de pesquisa para conhecer as novas tecnologias que podem ser aliadas da segurança e estamos tentando fazer com que essas inovações cheguem o mais rápido possível ao dia a dia dos policiais e da população.

Constantemente, fazemos visitas a batalhões e unidades policiais para descobrir como podemos melhorar o trabalho desses homens e mulheres e encaminhamos pedidos para aquisição de equipamentos, como drones que podem ser usados no patrulhamento da costa paulista.

Nós, classe política e sociedade, precisamos valorizar a profissão policial e tentar minimizar ao máximo os riscos a que estão expostos. Por isso, além de pedir aumento do efetivo policial e melhores condições de trabalho, me comprometi publicamente a votar contra todo e qualquer projeto de aumento salarial até que o governador João Doria cumpra sua promessa de campanha e reajuste o salário dos policiais paulistas, que é um dos mais baixos do Brasil (mesmo São Paulo sendo o estado mais rico da federação).

Conhecemos a capacidade do secretário de Segurança Pública, General João Camilo Pires de Campos, em gerenciar a pasta, mas ele precisa da autorização do governador para conceder o aumento e corrigir anos de injustiças cometidas contra a classe.

Quando o agente responsável por garantir a segurança pública não está salvo, toda a sociedade está desprotegida.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.