EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

Rosana Valle

É deputada federal (PSB/SP), jornalista e escritora. Foi repórter da TV Tribuna por 25 anos e por 18 apresentadora e editora do programa Rota do Sol. Já fez reportagens em mais de 30 países e é autora de dois livros sobre o turismo regional e internacional. Rosana iniciou seu mandato em 2019 e é membro titular das Comissões de Viação e Transportes e Direito das Mulheres

Uma triste noite para o Brasil

Por 174 votos contra 136, a maioria dos deputados aprovou o pacote que permite inflar o Fundo Eleitoral e afrouxa o controle sobre partidos

Na noite da última quarta-feira, no plenário da  Câmara dos Deputados, em Brasília, foram discutidas as mudanças no fundo eleitoral que financia campanhas políticas.

Os parlamentares realizaram discursos inflamados, debates confusos, e pela segunda vez em poucos dias, assistimos os parlamentares irem contra a vontade da população brasileira.

Por 174 votos contra 136, a maioria dos deputados aprovou o pacote que permite inflar o Fundo Eleitoral e afrouxa o controle sobre partidos.

A partir de agora, está aberto o caminho para que os partidos usem o dinheiro público, o nosso dinheiro, para contratar advogados e contadores, que irão defender políticos e partidos investigados por corrupção.

Também será permitido o uso do fundo eleitoral para pagamento de multas aplicadas pela Justiça Eleitoral em irregularidades cometidas em campanhas políticas.

O fundo eleitoral, arrecadado com o dinheiro do povo, vai poder ser usado na compra e aluguel de imóveis para partidos e na quitação de multas eleitorais.

Já a Lei da Ficha Limpa ficou mais frouxa, permitindo a posse de políticos eleitos que tiveram a candidatura contestada após registro eleitoral.

E embora o texto aprovado não estipule um valor para o fundo eleitoral das eleições de 2020, com certeza alguns partidos esperam, sim, engordar os caixas de campanha.

Toda essa palhaçada teve o aval de partidos históricos, como o PT, PSB, PCdoB, MDB, PTB e muitos outros  que orientaram suas bancadas a votarem a favor dos privilégios.

Mais uma vez, eu contrariei a orientação do PSB e votei “SIM” contra os mesmos privilégios.

Fui voto vencido!

Agora, é torcer para que o presidente vete esse atentado contra o país e os brasileiros.

Depois de uma noite como essa, é cada vez mais claro para mim que temos partidos demais, deputados demais, interesses inconfessáveis demais.

Isso faz com que a população fique cada vez mais com raiva dos parlamentares e políticos.

Com toda razão!

Mas, falo por mim: não estou aqui para seguir uma cartilha partidária, não estou aqui para agradar grupos, para agradar interesses.

Estou aqui para representar a população brasileira, estou aqui para votar com responsabilidade e defender com coragem os moradores da minha região.

Não vou me intimidar com punições e pressões do partido, votarei sempre no que eu acredito ser o melhor para todos.

Para evitar que noites tristes como a que o país viveu na última quarta-feira não se repitam.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.