EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Rosana Valle

É deputada federal (PSB/SP), jornalista e escritora. Foi repórter da TV Tribuna por 25 anos e por 18 apresentadora e editora do programa Rota do Sol. Já fez reportagens em mais de 30 países e é autora de dois livros sobre o turismo regional e internacional. Rosana iniciou seu mandato em 2019 e é membro titular das Comissões de Viação e Transportes e Direito das Mulheres

Longa vida ao Instituto Neo Mama!

Instituto foi fundado em Santos e já atendeu milhares de mulheres que tiveram câncer

A cada ano, um milhão de mulheres no mundo recebem o diagnóstico de câncer de mama.

Minha mãe foi uma delas.

Dona Alice travou uma longa batalha contra a doença.

Mastectomia, tratamentos quimioterápicos, incertezas.

Ela reagiu, perseverou, foi guerreira, mas, enfim, foi vencida pela doença implacável.

Era o ano de 1999, e eu estava ao lado de minha mãe quando ela partiu.

Neste mesmo ano, Gilze Francisco, uma enfermeira santista de 38 anos, recebeu o frio diagnóstico: “Você foi acometida por um câncer de mama agressivo”.

Mesmo impactada pela notícia, Gilze não se abateu. Encheu-se de esperança e foi à luta!

Passou por uma mastectomia radical, sessões intermináveis de quimioterapia, e durante o tratamento, fundou um site!

Isso mesmo, um site para ajudar e motivar as mulheres a lutarem contra a neoplasia mamária, enfrentando a doença com perseverança e otimismo.

Após dois anos de tratamento, Gilze venceu o câncer de mama, e tornou-se uma auto defensora da causa.

Aquele site educativo e motivacional cresceu e se aperfeiçoou.

E, em 2001, se transformou numa das maiores iniciativas que eu já conheci em benefício da saúde das mulheres: o Instituto Neo Mama de Prevenção e Combate ao Câncer de Mama.

O Neo Mama foi fundado em Santos, que, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é a cidade com o maior percentual de mulheres com o câncer de mama no Brasil.

Como repórter, tive a oportunidade de acompanhar a evolução e o extraordinário trabalho de Gilze Francisco, e do Instituto Neo Mama.

O instituto, sem fins lucrativos, já atendeu gratuitamente mais de três mil mulheres, e acompanha uma média de duzentas por mês.

As duas unidades do Neo Mama proporcionam acompanhamento para o tratamento da doença, apoio para reabilitação e recuperação total das mulheres. Além de orientação para familiares diretos e cuidadores.

São quase 30 programas de reabilitação à disposição das mulheres: de tratamento de onco laserterapia, banco de próteses e perucas, até psicólogos, fisioterapeutas e aulas de canoa havaiana!

Em 2007, o Instituto Neo Mama trouxe para o Brasil o Outubro Rosa, um movimento popular mundial de conscientização mundial do câncer de mama.

Gilze Francisco é hoje uma referência nacional no assunto, apresenta palestras motivacionais pelo Brasil e participa de entrevistas para veículos de comunicação.

Por conta desse trabalho, ela foi reconhecida pela Iniciativa Global de Conscientização sobre o Câncer de Mama, uma respeitada instituição norte-americana.

Como prêmio, Gilze e os voluntários do Neo Mama receberam treinamento especializado durante dois anos no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Foi por isso que não hesitei em indicar o Instituto Neo Mama para o Prêmio Dr. Pinotti, uma premiação nacional que reconhece o trabalho de entidades que realizam ações em benefício da saúde das mulheres no Brasil.

Cada deputado federal pode indicar uma instituição da sua região.

No dia 9 de abril, uma comissão escolherá cinco entidades brasileiras, que serão homenageadas em uma cerimônia no Salão Nobre da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Penso que o Instituto Neo Mama é merecedor desse prêmio.

Penso, também, nas milhares de mulheres que, como a minha mãe, enfrentaram e enfrentam esta doença.

E que hoje encontram apoio e solidariedade para superar desafios e, enfim, vencer o câncer de mama.

Longa vida ao Instituto Neo Mama!

Vocês merecem o nosso respeito, e o nosso aplauso!

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.