EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Paulistão entra em sua reta final com surpresas

Tudo pode acontecer como é prática no futebol e onde detalhes definem um resultado em campo

Amigos, o Paulistão entra em sua reta final tendo o desacreditado Corinthians classificado na última hora e com chances de ser o primeiro tetracampeão paulista na era do profissionalismo em nosso futebol. Claro que vai enfrentar uma equipe muito forte e estruturada como o Red Bull Bragantino, que está provando que veio mesmo para ocupar seu lugar no futebol brasileiro e terminou a primeira fase regional com a melhor campanha geral. Como tudo se definirá em uma única partida, tudo pode acontecer como é prática no futebol e onde detalhes definem um resultado em campo.

O Palmeiras que abriu o caminho para a classificação do Corinthians conseguiu fechar a fase em primeiro lugar em seu Grupo e entra com vantagem diante do Santo André, que até a longa parada em razão da pandemia era o líder absoluto da competição.

O São Paulo fez sua parte e venceu o Guarani, mesmo com um time todo modificado. Mostrou claramente que Fernando Diniz sabe montar sua equipe com marcação forte e saídas rápidas, além de mostrar que a geração criada em Cotia vem com muita qualidade e confirmando a tradição do próprio clube.

Já o Santos chega com dezesseis pontos ganhos e a pior campanha dentre todos os grandes clubes classificados, terminando em nono lugar e trazendo consigo no Grupo A a Ponte Preta que com treze pontos ganhos só alcançou a décima terceira classificação geral. Essa situação não é nova no Paulistão que tem uma fórmula repetida nos últimos anos e sempre evitando confrontos diretos dentro dos seus quatro  grupos da primeira fase. Agora vem aí um confronto entre as duas equipes, deixando fora por exemplo o Novorizontino com dezenove pontos ganhos e o Guarani com dezessete pontos.

Sou defensor de uma mudança nesse regulamento, que poderia usar as quatro datas ainda restantes para realizar três jogos dentre os adversários do próprio grupo com o campeão sendo consagrado pelo maior número de pontos ganhos no geral. A data restante, como há uma verdadeira fobia por um mata-mata, poderia ter um confronto final entre os dois melhores colocados com vantagem de um empate em favor do time mais eficiente na competição. 

Seria muito mais correto e justo se decretar um campeão e dois rebaixados se todos jogassem contra todos, mesmo que em um único confronto.

Vamos para as decisões!!!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.