EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

13 de Julho de 2020

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Os clubes do interior no Paulistão

Na semana em que se aguarda a volta aos treinamentos para a retomada do Paulistão, ainda existem muitas diferenças e vários problemas entre as equipes

Amigos, na semana em que se aguarda a volta aos treinamentos para a retomada do Paulistão, ainda existem muitas diferenças e vários problemas entre os nossos clubes do interior.

A excelente campanha do Bragantino deve ser ressaltada, pois o clube, que trabalha com orçamento fechado sem depender de cotas de TV, não precisou reduzir salários - que estão rigorosamente em dia, e está liberado para treinamentos. Não resta dúvida que, com o investimento que recebe, tem tudo para ser uma nova potência do futebol paulista. Inclusive na disputa do próximo Brasileirão Série A.

Pelo contrário, o time de melhor campanha geral está com sérios problemas de elenco, com a perda de onze jogadores e, principalmente, pela impossibilidade de contar com seu estádio para treinamentos. O Santo André, com seus 19 pontos ganhos, ainda corre risco de ficar fora das finais, ameaçado nas duas últimas rodadas pelo Novorizontino, com 16 pontos, e ainda invicto na competição.

Em Campinas, que ainda aguarda liberação por parte da Prefeitura, o contraste entre seus dois representantes é enorme. O Guarani está praticamente classificado para a sequência da competição com cinco pontos a mais que Corinthians e Ferroviária, embora tenha problemas de atraso salarial para resolver com seu elenco. Já a Ponte Preta, que tem a pior campanha dos dezesseis participantes, com apenas sete pontos ganhos até aqui, conseguiu manter seus salários em dia com uma redução de 30 por cento nos valores. Mesmo assim, não dependerá só dela para escapar do rebaixamento.

O Mirassol é outro clube muito desfalcado, com a manutenção de apenas sete atletas de seu elenco inicial. Com 16 pontos ganhos pode, mesmo assim, garantir vaga na próxima fase.

O Botafogo atravessou uma fase política turbulenta durante a pandemia, com questões envolvendo o processo do clube-empresa implantado no futebol, gerando muitas discussões entre conselheiros, insatisfeitos, principalmente, pela péssima campanha no Paulistão com apenas 8 pontos ganhos até aqui. candidato sério ao rebaixamento.

Finalmente, vale a pena citar a Ferroviária, que também teve turbulência trocando de treinadores desde o início da disputa. O clube-empresa tem até aqui 11 pontos ganhos, em situação idêntica ao Corinthians, ficando ambos com chance remota de rebaixamento e praticamente impossível de se classificar para a próxima fase mesmo tendo ainda dois jogos a cumprir.

Que venha o Paulistão!!!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.