EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

12 de Novembro de 2019

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Maiores surpresas vieram do Palmeiras

O Verdão jogou quase que todo o tempo no ataque, com a bola sendo trabalhada. Ou seja, nada dos chutões que tanto atrapalharam depois da Copa América

Amigos, numa rodada de muitas surpresas para os clubes paulistas, não resta dúvida que as maiores vieram mesmo da parte do Palmeiras.

Novo técnico estreando e ficou claro que as coisas mudaram mesmo com a chegada de Mano Menezes: o time conseguiu virar um placar, o que não acontecia desde que era dirigido ainda por Roger Machado. Outra coisa nova, que era uma marca negativa nos jogos com o comando de Felipão, foi o fato do Palmeiras ter jogado quase que todo o tempo no ataque, com a bola sendo trabalhada por todos os setores do time. Ou seja, nada dos chutões ou bolas rifadas que tanto atrapalharam depois da Copa América.

Chances reais de gol, volta de alguns esquecidos - Lucas Lima e Borja, por exemplo - e uma jogada manjada que deu muito certo: numa arremesso lateral de Marcos Rocha nasceu a jogada do gol da virada, já nos acréscimos do jogo.

Já o Corinthians, que abriu a rodada no sábado, acabou repetindo uma história vivida pelo Santos uma semana antes: diante de um time cearense, em casa, só jogou um primeiro tempo convincente ajudado por um gol contra que abateu o Ceará no início do jogo. E mesmo com um gol com a marca de Wagner Love, o time voltou para o segundo tempo muito diferente, passando as ações do jogo para o bom time do Ceará. A equipe visitante ainda foi premiada por uma falha gritante de Cássio e toda a zaga nos minutos finais. A cobrança de escanteio resultou num lindo e incrível gol olímpico, tirando do time de Carille dois pontos que já pareciam garantidos e que deixariam a equipe numa situação ainda melhor na classificação geral.

Por sua vez, o São Paulo foi a Porto Alegre com muitos desfalques, e nem mesmo diante de um time quase reserva do Internacional, conseguiu fazer uma partida convincente. A rigor, não deu o menor trabalho ao goleiro Marcelo Lomba, irritando os torcedores com um futebol sem personalidade e vibração acumulando - com a derrota por um a zero, uma sequência de três jogos sem vencer e, principalmente, sem marcar um gol. A última boa impressão ficou mesmo na vitória diante do Santos, quatro rodadas atrás.

Para encerrar o final de semana, o Santos tropeçou em casa diante do time reserva do Athlético Paranaense. Destaque foi para o atacante Marinho, que deu trabalho no primeiro tempo e acabou conseguindo enganar o árbitro do jogo numa falta fora da grande área, transformada em pênalti por decisão totalmente equivocada do time de arbitragem.

Este erro, além de deixar o Santos mais próximo do líder Flamengo, prejudicou a campanha de recuperação do time paranaense e gerou conflito entre os treinadores de ambas equipes ao final do jogo.

Agora vem a última rodada do primeiro turno justamente com um confronto direto entre Flamengo e Santos, que se vencido pelos paulistas, mudará novamente a liderança do torneio. Mas isto é assunto para a próxima semana.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.