EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

10 de Julho de 2020

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Clubes paulistas começam a retomar as atividades

A Federação Paulista de Futebol deu abertura para o reinício com a condição de estabelecer um acordo igualdade para todos.

Amigos, os grandes clubes da capital paulista estão retornando aos trabalhos nesta semana, mesmo que ainda dependam de uma liberação oficial por parte da Prefeitura, que foi consultada oficialmente na última quinta-feira (11) sem ter dado uma resposta positiva ou negativa até agora.

A proposição inicial é para a volta aos treinos com todos os cuidados que o momento exige em termos de número de pessoas em grupo e escalonamento de horários para o trabalho diário. O fato é que em razão da manutenção de restrições por parte do governo do estado, mesmo com abertura do comércio e de shoppings, o futebol ainda está incluído entre as atividades restritas. Até mesmo para trabalhos de preparação física e técnica em conjunto.

A Federação Paulista de Futebol, pressionada pelos próprios clubes que precisam garantir suas cotas de televisão, deu abertura para o reinício com a condição de estabelecer um acordo igualdade para todos. Mas esse detalhe, claramente, não vem sendo cumprido por alguns clubes já liberados em suas cidades.

Bragantino, Ferroviária, Ituano e Oeste estão se movimentando na expectativa da volta. Enquanto outros dependem da faixa de liberação para sua região, como o Botafogo-SP, por exemplo. O Santo André está sem local para qualquer atividade e ainda perdeu grande parte de seu elenco com o término dos contratos de atletas, assim como o Mirassol e o Novorizontino. Para viabilizar a volta destes ao torneio será necessária uma alteração no regulamento da competição permitindo novas inscrições fora do prazo inicialmente determinado, coisa que poderá gerar a ações na justiça por alguém que de sentir prejudicado.

Outro fato a ser considerado é a capacidade financeira se cada clube para a reposição de elenco, gerando ilações de facilitação de resultados em confrontos diretos ou de interesse de terceiros visando a classificação ou rebaixamento.

Como a Federação Paulista garante que o Paulistão terminará em campo, com campeão e rebaixados de acordo com o regulamento, fica a expectativa para o momento de clubes como o Corinthians, que já está fora da fase final e ainda corre sério risco de rebaixamento Ou do Santo André, que tem até aqui a melhor campanha da competição, só para curar dois exemplos bem opostos.

Aliás, o momento financeiro e administrativo de Corinthians e Santos é bem preocupante, com dívidas internacionais denunciadas na FIFA, trazendo riscos sérios de redução de pontos no próximo Brasileirão e ainda - caso já definido para o time da Vila Belmiro - proibição de registro de novos jogadores junto a CBF.

A pandemia trouxe a tona muitas coisas que ficam camufladas dentro da "ilha da fantasia" de nosso futebol...

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.