EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino e Bruno Gutierrez. O trio traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Santos tem de saber viver sem Sampaoli

Embora a diretoria acredite na permanência do treinador para 2020, as evidências apontam para a saída

Apesar de já ter dito que pretende ficar muito tempo no Santos, pouca coisa indica que o técnico Jorge Sampaoli seguirá no clube no ano que vem. Por isso, a diretoria precisa estar atenta para buscar o plano B com rapidez, caso haja necessidade.

Bom trabalho em campo e intenções à parte, Sampaoli não perde a oportunidade de reclamar da direção sempre que pode. A última queixa diz respeito às categorias de base, que, segundo o argentino, não fornecem talentos que possam ser aproveitados no time de cima. De fato, os resultados das equipes sub-20 e sub-23 dão razão ao treinador. Entretanto, quando ele expõe a questão sem os devidos cuidados, acaba desvalorizando o patrimônio do clube.

Outro entrave para a permanência de Sampaoli diz respeito às expectativas. O presidente José Carlos Peres já avisou que não pretende fazer investimentos pesados no elenco para o ano que vem. Segundo ele, não será possível repetir 2019, quando mais de R$ 70 milhões foram gastos. Contudo, Sampaoli dificilmente vai se contentar em disputar uma eventual Libertadores somente com os jogadores de que já dispõe, e correndo o risco ainda de sofrer baixas, a principal delas o zagueiro Gustavo Henrique, cujo contrato está prestes a vencer e tem poucas chances de ser renovado – o lateral-esquerdo Jorge, que está emprestado pelo Monaco, é outro cuja renovação será difícil.

Não que o Santos deva buscar um treinador desde já. No momento, como não poderia ser diferente, todos os esforços estão voltados para a disputa do Campeonato Brasileiro, competição na qual o título se tornou um sonho distante, mas a vaga na Libertadores é uma possibilidade bastante real. Mas, para os próximos meses, será necessário ter uma conversa franca com Jorge Sampaoli. Expor a ele as finanças do clube e deixar bem claro o que será possível fazer em termos de contratações. Caso o argentino passe firmeza sobre a permanência, bola pra frente. Porém, se ele começar a adiar a resposta, ou mesmo se antecipar que não pretende ficar, a diretoria santista deveria começar a estudar o mercado e se resguardar.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.