EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

13 de Agosto de 2020

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino e Bruno Gutierrez. O trio traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Relutante, futebol começa a parar por causa do coronavírus

Dirigentes demoraram muito para aceitar a "derrota" na luta contra o Covid-19. Agora, campeonatos passam a ser suspensos

Demorou, mas o mundo do futebol começou a aceitar a realidade. A pandemia do coronavírus é séria e, neste momento, a saúde deve ficar em primeiro lugar. O mundo da bola relutou bastante, mas começou a tomar medidas mais efetivas devido ao Covid-19.

Há algumas semanas, nem se pensava em paralisar uma competição. Com Inter, Milan e Juventus situados na Lombardia - epicentro da crise na Itália, algumas partidas começaram a ser adiadas. No entanto, com mais de 800 mortes registradas, o país europeu entrou em isolamento e o campeonato nacional suspenso até dia 3 de abril. Em Turim, aliás, surgiu a primeira notícia de um jogador de "clube infectado pelo Covid-19", o zagueiro Daniele Rugani. 

Mesmo assim, o futebol ainda não aceitava a realidade, apesar do apelo geral: é preciso paralisar tudo. As confederações preferiam perder dinheiro, mas manter o calendáio. A solução foi: portões fechados. Atitude adotada em 5 dos 8 jogos da Champions League. Tentaram "matar" o torneio.

Valência x Atalanta foi o primeiro nesta situação. Na França, não adiantou muito. Os portões fechados não impediram os torcedores do PSG de se aglomerarem em frente ao Parc des Princes para apoiar o time parisiense na classificação contra o Borussia Dortmund. Bayern x Chelsea, Barcelona x Napoli e Juventus x Lyon também serão, até o momento, sem torcida.

Mudança de panorama

A situação começou a mudar por causa de um clube pequeno. O modesto Getafe, que luta para avançar na Liga Europa, se negou a viajar para Itália, onde enfretaria a Inter de Milão, nesta quinta-feira (12). Isso porque nada garantiria que os espanhóis teriam um voo de volta a Madri após a partida. Em situação parecida, a Roma não viajou para a Espanha, onde enfrentaria o Sevilla, já que sua aeronave não recebeu autorização para entrar no país.

Nesta quinta, a situação se agravou no mundo do futebol. O Campeonato Espanhol, que realizaria duas rodadas com portões fechados, foi suspenso. Isso porque o Real Madrid entrou em quarentena. Um jogador de basquete do time merengue está com o coronavírus. Com isso, o time de Zidane não viajará para a Inglaterra, onde teria que enfrentar o Manchester City, pela Champions League, na próxima terça-feira (17). A UEFA adiou a partida.

Os campeonatos alemão e português também passaram a adotar os portões fechados. A medida segue uma orientação dos ministérios da Saúde de cada país. E nesta quinta ainda, finalmente, a UEFA resolveu ceder. Convocou uma reunião, para terça-feira (17), com os presidentes das 55 federações para debater o futuro da Champions League, Liga Europa e Eurocopa, entre outras competições. Só a Inglaterra segue com a normalidade, por enquanto.

Fifa e América do Sul

A FIFA foi mais uma tomar, tardiamente, alguma atitude. Na noite da última quarta-feira (11), a entidade máxima do futebol confirmou a suspensão de todas as partidas válidas pelas eliminatórias da Copa do Mundo, que seriam realizadas entre 26 e 31 de março.

Na América do Sul, o Olímpia, do Paraguai, enfrentou o Defensa y Justicia, da Argentina, pela Copa Libertadores da América, com os portões fechados. A preocupação pelo coronavírus começou a gerar alarde no continente. 

Porém, no Brasil, apesar do aumento no número de casos - e de casos suspeitos, ainda não há nenhuma perspectiva de mudança do cenário atual. Assim como a Inglaterra, o Brasil segue com o ritmo normal (e frenético de jogos). Seja nos estaduais, Copa do Brasil ou competições continentais. A pergunta que fica é: até quando?

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.