EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

19 de Abril de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino, Alexandre Fernandes e Bruno Gutierrez. O quarteto traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Os santistas, enfim, abraçam o time na decisão

Torcida alvinegra esgota os ingressos para o jogo de volta contra o Corinthians

Após nove jogos em casa na temporada (oito no Pacaembu e apenas um na Vila Belmiro), a torcida santista, enfim, vai dar as caras pra valer em 2019. Em apenas quatro dias, a carga de pouco mais de 37 mil ingressos (o Santos não confirmou o número oficial) colocada à venda para o jogo de volta das semifinais do Paulistão, na próxima segunda-feira, no Pacaembu, foi esgotada nesta terça (2).

Prova que, apesar do desempenho ruim do time no Itaquerão, no último domingo, os santistas acreditam na virada sobre o Corinthians. Para isso, a equipe depende de vitória simples para levar a decisão aos pênaltis e por dois gols de diferença para enfrentar Palmeiras ou São Paulo na final.

Não que a missão seja fácil, pois o Corinthians é, talvez, o time que melhor marque no futebol brasileiro. E certamente jogará fechado, explorando os contragolpes. Mas o apoio de um estádio lotado, com a torcida a favor, coisa que Jorge Sampaoli ainda não presenciou como técnico santista, pode ajudar o Santos na decisão da vaga.

Até agora, o melhor público do Alvinegro como mandante este ano foi no clássico contra o São Paulo, no Pacaembu, em fevereiro, quando o total de pagantes foi de 18.601 torcedores. Marca modesta se comparada às registradas por outros grandes na temporada.

Acomodado, o torcedor santista é exigente para cobrar dos dirigentes a formação de times competitivos, mas se esquece de que, para bancar uma equipe forte, é preciso dar a sua contribuição nas bilheterias. Ou aderir ao plano de sócio do clube.

A falta de um matador

Se nas cadeiras e arquibancadas do Pacaembu o Santos jogará reforçado, em campo, Sampaoli continua batendo cabeça para fazer o ataque alvinegro voltar a funcionar.

Nas últimas seis partidas, foram apenas 3 gols marcados, dado preocupante para um time que iniciou a temporada voando. Além da ineficiência de Rodrygo, Soteldo, Copete, Yuri Alberto, Arthur Gomes e Felippe Cardoso, a equipe se ressente de um goleador nato.

Aquele velho e bom camisa 9, que está sempre ali para empurrar a bola para dentro, é coisa rara (e cara) no mercado. Por essas e outras, Ricardo Oliveira e Gabigol são sempre lembrados na Vila Belmiro.

Antes de pensar no Corinthians, porém, o Santos tem que mudar o foco para o importante compromisso de quinta-feira (4) contra o Atlético-GO, em Goiânia, pela Copa do Brasil (o jogo de volta é no dia 11, na reabertura da Vila).

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.