Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Bruno Rios e Bruno Gutierrez. O trio traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Marinho é o melhor jogador em atividade no Brasil

Longe de ser um craque, atacante do Santos se destaca pela determinação

Gabigol, Arrascaeta, Daniel Alves, Everton Ribeiro... Todos craques, campeões, donos de currículos invejáveis. Porém, hoje, dia 14 de setembro, o melhor jogador em atividade no Brasil atende pelo nome de Marinho.

Principal responsável pela recuperação do Santos pós-Jesualdo Ferreira, o atacante vive o melhor momento da carreira. Aos 30 anos, depois de rodar meio mundo e alcançar êxitos discretos, como a boa fase no Vitória em 2016, Marinho se encontrou na Vila Belmiro. Seja driblando, seja chutando a gol, seja servindo os companheiros, ele tem sido muito feliz.

Pode até ser que Marinho não consiga manter o alto nível por muito tempo e logo volte a ser o jogador irregular de sempre. Mas, hoje, ninguém é tão decisivo para o clube que defende como o santista.

Thiago Galhado, do Internacional, e German Cano, do Vasco, também vivem grande fase. Contudo, eles participam menos do jogo em relação a Marinho. O santista, além de marcar gols, é um tormento constante para os defensores adversários. Não por acaso, quando não marca, ele dá assistências precisas.

Além de alguma habilidade, Marinho tem na determinação e na coragem suas principais virtudes. Ele é um jogador “peitudo”, como diriam os antigos. A partir do momento em que está com a bola, não tem medo de arriscar a jogada. Como a fase é boa, quase sempre as tentativas terminam em lances de perigo.

Entretanto, mesmo em seu melhor momento, Marinho comete erros. O principal, talvez, seja exagerar nas quedas. Não que a marcação alivie, mas, em determinadas ocasiões, a veia artística do santista fica evidente, com encenações dispensáveis.

Entender a evolução de Marinho é difícil. Contudo, ao deixar de lado o estilo folclórico e assumir um papel de responsabilidade dentro de um elenco jovem como o do Santos, ele se deu bem. E fez isso com sua espontaneidade, não programou nem forjou nada.

Enquanto referências como Carlos Sánchez e Soteldo não conseguem repetir o grande futebol apresentado no ano passado, Marinho sobra. A partir do momento em que os gringos voltarem a jogar bem, o Santos vai se fortalecer significativamente na briga por títulos em 2020.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.