Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Bruno Rios e Bruno Gutierrez. O trio traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Implacável, Atlético de Madrid supera expectativas no Campeonato Espanhol

Equipe colchonera abre 10 pontos de vantagem para Real Madrid e Barcelona, mesmo com um jogo a menos

Em meio a tantos fatos estranhos que vêm ocorrendo na atípica temporada europeia, a campanha excepcional do Atlético de Madrid no Campeonato Espanhol merece elogios. O time não só está na liderança, com 50 pontos, como possui vantagem de dez pontos para os vice-líderes Barcelona e Real Madrid, mesmo tendo um jogo a menos. Além disso, o desempenho em campo agrada até mesmo aos torcedores mais exigentes e o principal reforço, o atacante uruguaio Suárez, tem jogado muito.

Após as frustrações dos últimos anos, nem o colchonero mais otimista imaginaria viver algo assim. Até aqui, a verdadeira máquina vermelha, azul e branca atuou 19 vezes em La Liga, com 16 vitórias, dois empates e apenas uma derrota, ainda em dezembro, para o Real Madrid. De lá para cá, são oito triunfos em sequência. Considerando só a Liga Espanhola, o elenco marcou 40 gols e sofreu dez.

Suárez deixou para trás os tempos de Barcelona, que rendeu até choro na despedida, e colocou 14 bolas no fundo das redes adversárias, com duas assistências de brinde. Parece não sentir mais falta do amigo e fiel escudeiro Messi, ao menos dentro de campo.

O técnico Diego Simeone é digno de reverência pela volta por cima. Nas duas últimas edições da Liga dos Campeões da Europa, o Atlético foi eliminado de maneira vexatória pela Juventus (levou um 3 a 0 humilhante na Itália depois de construir um 2 a 0 em casa) e RB Leipzig (jogo único com placar de 2 a 1 em Lisboa, após ter feito o mais difícil e superado o Liverpool em plena Inglaterra). Isso sem contar que, em 2014 e 2016, ele foi vice-campeão do principal torneio europeu em decisões para lá de traumáticas contra o Real.

Eu e muitos outros tínhamos achado que o ciclo do argentino havia acabado. Afinal, são nove anos no clube e os resultados negativos encobriam o esforço para montar times competitivos ano após ano. Mas ele não concordou e seguiu na luta, colhendo frutos agora.

No gol, a segurança de Oblak é acima de qualquer suspeita. Na defesa, dentro do novo sistema com três zagueiros, o brasileiro Felipe se destaca na proteção de sua área e no apoio às jogadas ofensivas, quase sempre sem receber cartão amarelo (são só dois na temporada). No ataque, o português João Félix dava sua tão esperada contribuição depois de um período de adaptação à Espanha, mas contraiu covid-19 esta semana.

O fato é que, quando a fase é boa, até os rivais ajudam. Real e Barça irritam pela irregularidade. No Campeonato Espanhol, quando emendam uma série de vitórias, logo vêm os tropeços para trazê-los à realidade. Já na Copa do Rei, o primeiro caiu precocemente para um time da terceira divisão, enquanto o outro segue vivo, mas na quarta-feira (3) quase foi eliminado pelo Granada. Pior que, na Copa, os colchoneros nem podem se gabar, pois também foram eliminados por um time da terceirona, o Cornellà.

Ainda assim, sobram motivos para sorrir no Atlético. Mesmo com metade da Liga pela frente, a perda do título parece ser algo inatingível e se a equipe seguir nesse ritmo, poderá superar a marca de 100 pontos. Como diz um velho ditado, se melhorar, estraga!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.