EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

27 de Maio de 2020

Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

O abuso e exploração sexual infanto-juvenil; é preciso estar ligado

Brasil carrega uma marca muito negativa: somos o 11° colocado no ranking de países com maior índice de casos de abuso e/ou exploração sexual infanto-juvenil

Entre os assuntos que mais me dediquei como Deputado Estadual em meus dois mandatos, destaco o combate a violência e exploração sexual infanto-juvenil. Como uma das medidas, apresentei um projeto de lei que autoriza a criação do serviço de Disque Denúncia para este crime, dedicado exclusivamente ao estado de São Paulo, facilitando um melhor mapeamento dessa dura realidade e gerando conteúdo estratégico de ações efetivas do governo do Estado.

Entre tantos problemas sociais e de educação, o Brasil carrega uma marca muito negativa: somos o 11° colocado no ranking de países com maior índice de casos de abuso e/ou exploração sexual infanto-juvenil. E, São Paulo, o estado com maior número de pessoas e dinheiro do País e a décima região mais rica do planeta contribui de forma vergonhosa para estes dados. E este número tem crescido a cada ano.

Seja para comprar comida, drogas, muitas vezes estimuladas pelos próprios pais, milhares de crianças e adolescentes estão oferecendo seus corpos. No dado mais recente e já defasado, referente a 2017, São Paulo foi responsável por 2.975 denúncias aumentando seu número em relação ao ano anterior em 29,4%.

Ainda assim, com toda a gravidade que o assunto exige, o telefone utilizado para denúncia – Disque 100 de Direitos Humanos – pertence ao Governo federal, desfavorecendo ainda mais essa população em situação de vulnerabilidade, proporcionando falta de agilidade na depuração dos dados, natural de quem necessita de terceiros para gerenciar e apurar seus dados.

É inadmissível que tenhamos que depender da União para captar esse tipo de ofensa social e humana, muitas vezes dificultando a vida do cidadão paulista e sobrecarregando um sistema que provavelmente já está saturado.

Não existe mais tempo para esperar. Vamos acelerar esse processo.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.