EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

18 de Setembro de 2019

Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito e líder do Patriota na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

Dersa será extinta sem deixar saudade

Travessias de passageiros na Baixada Santista são regularmente alvos de reclamações de seus usuários

Ao longo dos últimos anos, as travessias no Estado de São Paulo apresentaram filas absurdas e atrasos periódicos, gerando muita insatisfação aos usuários do sistema, fossem moradores da região ou turistas.

A Dersa, responsável pela operação, foi insistentemente cobrada pela sociedade, pela mídia e até mesmo pela Frente Parlamentar que presidi. Longe de resolver os problemas, a concessionária apresentou soluções pouco efetivas e que quase nunca saíram do papel.

Por tudo isso, já está pautada para discussão na Assembleia Legislativa a extinção da Dersa. A princípio, não será feita uma nova concessão, passando o Governo do Estado de São Paulo a fazer a gestão da operação.

Diante desse inevitável fato, e sabendo da importância das travessias para seus usuários, entendi que era necessária uma atenção especial para o assunto, assim como alguns ajustes, de forma que essa transição seja tranquila e sem traumas.

Assim, criei uma emenda com dois itens que entendi primordiais para a mudança e que, por sua efetividade, foi incorporada ao projeto original:

1) Que a responsabilidade direta para a operação fique a cargo da Secretaria de Transportes do Estado de São Paulo, de forma que tenhamos - em casos de eventuais repetições dos problemas - um órgão responsável para ser cobrado. Se ficasse simplesmente na mão do “estado”, não teríamos de quem cobrar tais soluções.

2) Que o projeto apresente soluções efetivas para a gestão das filas e regulamente duas categorias especiais no embarque:
a) Preferenciais: grávidas, portadores de necessidades especiais e idosos;
b) Prioritários: ambulâncias, emergências, autoridades e agentes com funções que demandem o embarque automático.

Longe de termos uma solução definitiva, como uma ponte ou um túnel, a transferência de responsabilidade e extinção da Dersa é, sem dúvida, um novo horizonte para quem vive a rotina ou embarque eventual por esse meio de transporte.

Com a palavra, a Dersa

Em resposta ao texto “DERSA será extinta sem deixar saudade”, do deputado estadual Paulo Corrêa Jr., publicado em 15/8, a atual gestão da DERSA, ao assumir em janeiro deste ano, implantou ações para melhorar a qualidade das Travessias Litorâneas. No início do ano, a situação encontrada era grave, com motores velhos e ultrapassados, além de balsas e lanchas com certificados de navegação vencidos e, portanto, fora de operação. Foi necessário planejamento e muito trabalho para colocar em prática o Programa de Reformas e Manutenções em caráter emergencial. Já foram entregues seis embarcações totalmente remodeladas e outras seis serão entregues até o fim do ano. Além disso, 30 motores novos foram adquiridos e as manutenções ficaram mais eficientes. Foi lançado o App Travessias, mais um canal de comunicação para manter os usuários bem informados sobre os serviços e a sinalização nos viários municipais foi melhorada com a instalação de novos painéis de mensagens. Em paralelo, seguem os estudos para a concessão dos serviços à iniciativa privada. A meta é que o sistema de lanchas e balsas comece a ser modernizado já a partir de 2020.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.