EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

12 de Novembro de 2019

Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito e líder do Patriota na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

Criminalidade: cidades vizinhas, realidades diferentes

Dados sobre violência mostram situações opostas nas cidades de Santos e Cubatão

Divulgado recentemente, o Atlas de Violência no país mostra situações opostas entre duas cidades vizinhas na região: Santos ocupa o 8º lugar entre as cidades menos violentas do Estado de São Paulo, e Cubatão aparece como uma das mais violentas, na outra ponta da tabela.

O IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, responsável pelos dados, aponta alguns fatores para essa diferenciação. Segundo análise, o envelhecimento da população e o alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são motivos que influenciam muito a favor de Santos que, na contra mão do país, vem melhorando seus números.

Cubatão - que lidera o ranking das cidades mais violentas da Baixada Santista - registrou 21,5 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes. Um aumento de 14% em relação aos dados anteriores. Segundo o estudo, a escalada do crime organizado e ausência do Poder Público em núcleos periféricos explicam a expansão dos números.

Como é possível duas cidades vizinhas apresentarem números tão diferentes? Como enxergar nossa região como “Metropolitana”, se os índices que aferem a qualidade de vida são tão diferentes? Qual o porquê dessa distinção?

Meu histórico com Cubatão vem de longa data, com ações sociais muito antes de eu ser deputado estadual. Já no mandato, sempre olhei com carinho para a cidade, destinando verbas e inclusive tornando-a Município de Interesse Turístico, o que permite que Cubatão tenha uma verba própria para o impulso nessa área.

Não é justo que tenhamos que conviver com realidades opostas. Ou somos um grupo de municípios que discute problemas e encontra soluções em conjunto, ou seremos sempre um bando de cidades que olham apenas para o próprio umbigo. A saúde precária, a falta de vagas hospitalares, a criminalidade, a ausência de emprego de uma cidade reflete diretamente nas demais.

É preciso que tenhamos uma visão global de toda a região, para que possamos discutir soluções em conjunto, sob pena de crescermos desordenadamente, tornando as diferenças sociais cada vez maiores entre as cidades. E quando isso acontece, todos perdem, independentemente do CEP em que moram.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.