Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Chegou a hora de reiniciar

Em três meses, novo coronavírus passou de desconhecido a responsável por uma pandemia mundial

Em pouco mais de três meses, o novo coronavírus colocou o mundo de cabeça para baixo, saindo da condição de desconhecido para ser declarado como responsável por uma pandemia.

Atingiu muito rápido todos os continentes e mais de 160 países com alto índice de contaminação, colocando contra a parede as autoridades de saúde e deixando apreensiva toda população do planeta.

Ainda que o vírus apresente uma taxa de mortalidade baixa, se comparada a outros, trata-se de algo inesperado e que provavelmente ficará marcado para sempre na memória de toda essa geração.

Como forma de conter o avanço dessa proliferação, os governantes vêm sugerindo um período de quarentena para toda a população. Com isso, em questão de dias, as ruas e os ônibus coletivos vão ficando vazios, os ambientes de trabalho sendo trocados por home office, os shoppings e o comércio de forma geral sentindo a queda do fluxo de pessoas.

É lógico que vamos encontrar a solução, mas ainda não sabemos o tempo que isso irá levar. Resta-nos paciência, resiliência e a fé de que isso tem um propósito. E cabe a cada um de nós descobrirmos como tirar dessa “parada obrigatória” a melhor lição. 

De antemão, esse momento esfregou na cara da humanidade o quanto somos todos iguais. Não importa se você vive num país de primeiro mundo, se é branco, negro, tem doutorado, fala mais de uma língua ou é milionário.

Você não vai decidir se será ou não imune ao vírus. E, ao contrário de momentos de crise global - como guerras mundiais e civis -, em que populações trocam de países em busca de sobrevivência, desta vez, não existe lugar seguro. Estamos todos na mesma condição.

Durante esse período, evite o excesso de informações, que muitas vezes trazem mensagens apocalípticas, sem qualquer fundamento técnico. Tente ouvir música, assistir a filmes e colocar suas séries em dia. Redescubra a sua casa, seu lar. Cuide de você, de quem você ama. Tente entender que esse período será uma preparação para um recomeço.

Talvez, finalmente tenha chegado o momento em que você se cobrava para rever sua vida, planos, objetivos e valores. Quem sabe, esse tranco não tenha vindo para que você descubra que precisa mudar de emprego, viajar mais ou curtir melhor sua família.

Oremos para que tenha sido esse o motivo que irá trazer uma consciência coletiva que nos leve a entender que estamos no mesmo barco e que todos precisamos cuidar do planeta. 

Seja o que for, tenha a certeza de que vamos sair mais fortes e conscientes desse turbilhão, de um jeito que possamos projetar um futuro melhor para todos. Isso não irá durar para sempre. Em breve, vamos juntos reescrever uma nova história.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.