Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Almira, a primeira de todos nós

Enfermeira de 56 anos recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 entre a população da Região

O dia de ontem entrou definitivamente para a história recente da Baixada Santista: por volta das 10h30, em uma cerimônia simbólica realizada no Hospital dos Estivadores de Santos, a enfermeira Almira Dias Marques, de 56 anos, recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, entre a população da Região.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Durante o dia, outras cidades da Baixada passaram pelo mesmo processo, dando início ao período de imunização previsto para atender de forma escalonada a todos, até que estejamos protegidos contra a doença.

Diante de tantos impasses e desinformação sobre como será esse processo em um País tão grande como o nosso, esse gesto traz esperança e alívio de dias melhores, com expectativa da chegada de mais vacinas – outras nacionalidades e maior quantidade – capazes de fazer frente a pandemia que assolou o planeta.

Na cerimônia de hoje, o Governador João Doria disse que, se for preciso, ele irá até a China para negociar o envio do material. "Se necessário for, eu irei a China para pleitear a liberação dos insumos não apenas da vacina do Butantan mas também para a vacina da AstraZeneca".

Vivemos um momento de apreensão e angústia para a solução do problema e é de se esperar que exista sensatez entre Estado e União para que possamos dar sequência de forma produtiva nesse processo de imunização. Não existe espaço para dúvidas. Não existe tempo para discussão. Não existe a possibilidade de aceitarmos a perda de mais vidas.

Demos início. Vamos pedir a Deus que nos permita ver o fim dessa tragédia, extraindo ao máximo o ensinamento de que a vida é nosso bem maior e precisamos protege-la.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.