EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

5 de Dezembro de 2019

Marcio Calves

É jornalista e comentarista

O caminho das pedras

Líder do campeonato, Jorge Sampaoli estaria dando ensinamentos aos demais treinadores brasileiros? Vanderlei Luxemburgo pensa o contrário

Depois de um longo período de ostracismo, muito em razão de sua arrogância e prepotência, além da insistência em ser muito mais do que apenas um treinador, Vanderlei Luxemburgo conseguiu voltar a trabalhar em um time de tradição, o Vasco, no Rio de Janeiro. Foram mais de dois anos sem proposta de um grande clube, numa clara rejeição aos seus métodos e, principalmente, soberba.

O Vasco, em situação crítica, dentro e fora do campo, sob ameaça de rebaixamento, praticamente o ressuscitou para o futebol. Pode ser o canto do cisne em termos de trabalho no esporte. É sabido que, segundo crença antiga, o cisne-branco é completamente mudo durante toda a sua vida, mas pode cantar uma bela e triste canção antes de sua morte (obviamente, o foco aqui é a carreira).

Nessa segunda, ao que parece muito mais na base da amizade, Luxemburgo foi ao Programa Bem, Amigos, do SporTV. A expectativa era rever um treinador diferente, mais humilde e controlado. Diz o velho adágio, porém, que o lobo perde o pelo, mas não perde o vício (ou a pose, como se diz popularmente).

Em meio ao debate sobre as performances dos times e seus respectivos treinadores, Luxemburgo, é verdade, até reconheceu o bom trabalho realizado pelo técnico Jorge Sampaoli no Santos. Na sequência, porém, recusou que o argentino esteja também transmitindo ensinamentos aos brasileiros.

Admitiu que a vinda de estrangeiros para comandar clubes brasileiros “é legal”, mas nada além. Complementou que houve uma grande mudança no futebol brasileiro, privilegiando a tática em detrimento da essência e da história que sempre caracterizaram o esporte no país.

E mais: que Sampaoli tem a seu favor o DNA ofensivo do Santos, facilitando a aplicação de seus métodos e filosofia de trabalho. Em síntese, tergiversou e, mais uma vez, mostrou que não aprendeu as recentes lições que o futebol e os clubes lhe impuseram.

Vários foram os técnicos que passaram pelo Santos nos últimos anos, entre eles o próprio Luxemburgo, e nenhum conseguiu fazer o time praticar o futebol atual. Os poucos períodos de grande sucesso foram mais uma consequência de safras ou craques que vieram da base, como Robinho e Diego, Ganso e Neymar e outros que reviveram os grandes momentos do clube.

O trabalho de Jorge Sampaoli, porém, é muito diferente, vai além da presença de um ou dois jogadores de grande talento. O time hoje, a rigor, não tem um craque ou estrela diferente. É, sim, consequência de filosofia de trabalho e de um sistema tático que exige intensidade, aplicação, doação e sentido coletivo. E a meta é sempre o gol.

Salvo equívoco, na grande apresentação que derrubou o Goiás e seu treinador, apenas o goleiro Éverson não chutou a gol. E, segundo consta, além de suas habilidades defensivas, cobra muito bem falta nas proximidades da área. Parece, contudo, que não tem autorização do treinador para tal ação ofensiva.

Juca Kfouri, jornalista e reconhecidamente corintiano fanático, disse nessa segunda, durante um programa esportivo, que torce para o Santos ser o campeão brasileiro, pelo futebol que pratica desde a chegada de Sampaoli. Foi, é claro, alvo de piadas e ironias de seus colegas de bancada, a maioria duvidando de sua sinceridade, mas quem o acompanha sabe que por várias vezes afirmou que o clube da Vila Belmiro é o único que efetivamente dá prazer em ver jogar.

Não tem nada de burocrático, de óbvio ou excessivo apego à defesa. Pelo contrário, durante os 90 minutos só visa o gol. Sem dúvida, por isso é que o time é líder isolado e contabiliza uma série de sete vitórias consecutivas.

Assim, queira ou não Vanderlei Luxemburgo, Jorge Sampaoli está, sim, transmitindo ensinamentos ao futebol brasileiro. Ou, no mínimo, indicando “o caminho das pedras”.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.