Márcia Atik

Psicóloga, terapeuta sexual e de casal, Marcia Atik também é membro do Centro de Pesquisas em Sexualidade.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Viver a sexualidade de modo correto é um bem maior para a saúde mental

As pessoas sempre pensam na saúde do corpo e se esquecem que a mente também merece atenção

O propósito desse nosso bate papo é falar de sexualidade e sexo. Já é dito e sabido que sexo é vida e viver a sexualidade de modo saudável é um bem maior para a saúde mental.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Nos preocupamos muito com a saúde do corpo, boa alimentação e atividades fisicas, quando falamos em saúde. As pessoas sempre pensam na saúde do corpo e se esquecem que a mente também merece atenção.

A saúde mental refere-se ao estado emocional, neurológico, comportamental, sentimental e fisiológico do indivíduo, mas remete também à sua subjetividade, ao autoconhecimento e as necessidades psicológicas de cada pessoa. A saúde mental vai muito além da ausência de doenças no psiquismo. Saúde é um processo dinâmico, que envolve construções contínuas e os passos de cada dia.

Deve haver, porém, um importante diálogo no processo de saúde que envolve corpo e psiquismo, ou seja, essas questões não estão dissociadas e nesse sentido o corpo sexual e todas as subjetividades que envolvem a sexualidade devem ser pensadas.

O 'Janeiro branco' é uma campanha dedicada a convidar as pessoas a pensarem sobre o sentido e o propósito das suas vidas, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas, suas emoções, seus pensamentos e sobre os seus comportamentos.

Sabemos que os seres humanos tem conteúdos psicológicos e subjetivos, que suas vidas, necessariamente, são estruturadas em torno de questões mentais, sentimentais, emocionais, relacionais e comportamentais, sendo imperioso e necessário, que a subjetividade humana tenha lugar de destaque em nossa cultura e em nossos cotidianos, sob pena de sermos vítimas de nós mesmos e de quem despreza as próprias necessidades psicológicas e as necessidades psicológicas alheias.

Tem quem pense que um encontro sexual tem relação apenas com corpos, desejos e performances, mas na verdade para vivenciar uma sexualidade saudável um autoconhecimento se faz necessário. Tudo porque há sofrimentos que podem ser prevenidos, dores que podem ser evitadas, violências que podem ser impedidas, cuidadas ou reparadas.

Nós somos seres plurais e saúde emocional requer o amparo de várias necessidades de nossa vida, quer seja o social, o sexual, o espiritual, o ecológico e tantos outros aspectos para que a humanidade lide com mais amor e mais responsabilidade em relação a si mesma e em relação a cada uma das suas partes.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.