Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Uma vida de amor aos animais

Toda comunidade tem um herói, mesmo que anônimo. No Vale do Ribeira, mais especificamente em Pedro de Toledo, o saudoso Benny Marcondes foi um deles

Em março de 2012, Benny Marcondes e sua esposa, Neide, acolheram um cão vítima de maus tratos. Nascia ali o que viria a ser a Associação Beneficente para Cães e Gatos (ABCG) Tutucão. Passados quase nove anos de muito esforço e dedicação, mesmo em meio às adversidades, a entidade hoje conta com mais de 400 animais resgatados das ruas.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

No ano passado, tive a oportunidade de conhecer o trabalho de Benny. Fiquei tocado pela disposição daquele homem. Ele relatou que a associação vinha enfrentando sérios problemas financeiros, mas que não desistiria de seu ideal de cuidar dos bichinhos. Para se sustentar, a ONG alugava parte do sítio onde está sediada – um terreno também locado – para veraneio. Mas, com a pandemia da Covid-19, a procura praticamente parou.

O abrigo se mantém com a ajuda de voluntários para adquirir ração, medicamentos, material de limpeza e demais insumos. Decidi apresentar na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) uma emenda no valor de R$ 100 mil para auxiliar o trabalho do cuidador e sua equipe. O destino, no entanto, nos pregou uma peça. Benny contraiu o novo coronavírus e, infelizmente, faleceu no dia 22 de agosto. A Tutucão, mais do que nunca, corria perigo.

Mas o amor incondicional pelos cães e gatos fez Neide Marcondes encontrar forças para dar continuidade ao projeto do casal. Ela lançou uma vaquinha virtual para arrecadar recursos e não fechar as portas. 

A repentina morte de Benny criou um imbróglio burocrático: a emenda que indiquei estava direcionada a seu nome. Alertado sobre o problema, o gestor de projetos da ONG, Lázaro Zeferino, não mediu esforços para adequar a papelada para que a esposa se tornasse a beneficiária da quantia, enquanto responsável pela entidade, e o montante não se perdesse. Tudo foi devidamente encaminhado e ficamos na espera.

No início de janeiro, recebemos a boa notícia. O dinheiro, enfim, havia sido liberado pelo Governo do Estado. A ONG tem um custo mensal de cerca de R$ 15 mil. O recurso garante o funcionamento do abrigo ao longo deste semestre, mas, conforme fui informado, as despesas com locação, terceirizados, telefone, luz e os exames clínicos continuam.

Entre os sonhos da equipe que administra o local, estão a compra do terreno-sede e a criação de uma clínica de atendimento para os pets. Quem puder ajudar com qualquer valor, entre em contato (13-99781-4764 ou 13-99758-9223). Assim, o heroísmo de Benny Marcondes em salvar vidas animais não terá sido em vão.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.