EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

17 de Setembro de 2019

Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

Questões de prioridade

O que passou, passou. Importa, agora, é o que vem por aí

Na semana passada, o Governo do Estado divulgou a retomada de convênios pré-anunciados pela gestão anterior para cinco municípios da Baixada Santista – Santos, São Vicente, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe –, no valor de R$ 54 milhões até o fim de ano.

É a vitória do bom senso. Em janeiro, após assumir o cargo, o governador João Doria (PSDB) determinou que todos esses contratos previstos para 2019 na região fossem cancelados. Alegou que o montante não havia sido empenhado, não contava com previsão orçamentária e fonte de receitas.

Na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), venho solicitando informações constantes sobre os repasses e suas destinações. Me reuni com o governador para alertar sobre o prejuízo que o corte nos recursos para o Hospital dos Estivadores, em Santos, acarretaria para a população. Felizmente, a medida foi revista.  Também tive a oportunidade de conversar com Doria sobre a intenção de diminuir as vagas do Projeto Guri, ação que também acabou sendo revista.

Mais: em audiência realizada com a bancada do meu partido na semana passada, o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) garantiu que outros convênios, por ora descartados daquela listagem original, podem ser revistos no litoral. Uma boa notícia.

As disputas eleitorais terminaram em outubro. Democraticamente escolhidos nas urnas, os novos eleitos, seja no Palácio dos Bandeirantes, na Câmara dos Deputados ou na Alesp, têm que dar um passo adiante, deixar de lado ocasionais divergências partidárias e unir forças, cada um em seu espaço, na busca do desenvolvimento de São Paulo. É nisso que, no fim, devemos sempre nos pautar.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.