EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

4 de Abril de 2020

Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

O tempo não para

Como uma forma de prestar contas a você, cidadão, meu eleitor ou não, gostaria de citar algumas ações desenvolvidas ao longo dos dez meses de mandato

Enquanto estreante na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), posso afirmar que a experiência desse início de trabalho valeu a pena. O aprendizado é constante. À parte exercer a função de educador em minha vida profissional, tenho procurado ser um aluno aplicado e atento aos colegas mais experientes e aos funcionários da Casa. Se há dificuldades? Sim, existem. Muitas. Mas há, também, a vontade diária de fazer o certo, de dar o meu melhor no Parlamento. Espero estar no caminho certo.

Como uma forma de prestar contas a você, cidadão, meu eleitor ou não, gostaria de citar algumas ações desenvolvidas ao longo dos dez meses de mandato. Da mesma forma que pregava pela transparência dos meus atos enquanto vereador em Santos, quero fazê-lo, agora, como deputado estadual.

Meu ano legislativo começou com uma boa surpresa. Dez dias após ter assumido, estive na Escola Estadual (EE) Antônio Ablas Filho Doutor, em Santos, onde alunos se organizaram para reivindicar a reposição de vagas no quadro de professores. Ver os jovens lutando por seus direitos serviu como estímulo para fazer da educação uma das minhas principais bandeiras.

Visitei diversas escolas, cobrei muito da Secretaria de Estado da Educação e destinei cerca de R$ 1 milhão em emendas para o setor. A pressão deu resultados: o governador João Doria (PSDB) anunciou um pacote de R$ 43 milhões para melhorias nas unidades da Baixada Santista.

Descobri, na prática, que o mandato nos proporciona a chance de mobilizar diferentes esferas do Governo. Foi assim que conseguimos que os testes com a linha turística do trem ligando São Paulo a Santos fossem retomados. Ou que o projeto sobre a ligação seca entre Santos e Guarujá, cujo processo está em andamento, voltasse à pauta.

Também podemos incluir as tratativas, em níveis municipal, estadual e federal, para a recuperação da Ponte dos Barreiros, em São Vicente, para a qual me comprometi a indicar R$ 1 milhão. Tenho a certeza de que se unirmos forças e deixarmos de lado vaidades pessoais, avançamos.

Gostaria de citar alguns dos projetos de lei que apresentei. Entre os principais, estão o que condiciona a matrícula na rede de ensino paulista (particular ou pública) à apresentação da carteira de vacinação atualizada do aluno; o que obriga a adaptação de 10% dos brinquedos nos parques públicos para deficientes e portadores de mobilidade reduzida; o que prevê áreas de lazer aparelhadas para atividades da Terceira Idade nos programas habitacionais executados pelo estado; ou, ainda, o que determina aos municípios litorâneos a construção de passarelas para cadeirantes e pessoas com necessidades especiais em suas praias.

Já entre as emendas parlamentares, posso destacar o R$ 1 milhão que destinei à compra de equipamentos para a Santa Casa e o Hospital Guilherme Álvaro (R$ 500 mil para cada); os R$ 470 mil para a Fundação Parque Tecnológico de Santos; os R$ 300 mil para a continuidade do programa Educação Conectada nas escolas da região; e os R$ 450 mil para a instalação de estações de ginástica em São Vicente.

É claro que, em razão do espaço reduzido, não há como colocarmos aqui tudo o que fizemos até o momento. Foi uma jornada incansável, de atividade diária e noturna, em busca de conquistas para a Baixada Santista. O que posso garantir é que não faltou empenho na tentativa de alcançar o desenvolvimento das nossas cidades. O trabalho continua. Desejo, de coração, um excelente Ano Novo a todos, de muita saúde, felicidades e energias renovadas.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.