Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Ninguém faz nada sozinho

A necessidade de um diálogo constante e da troca de experiências entre os prefeitos possibilitou ao Condesb aprovar prioridades de interesse regional

O novo comando do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) foi definido nesta quinta-feira (28). Rogério Santos, prefeito de Santos e eleito presidente do órgão, e os demais chefes de executivo da região têm a chance de elevar o colegiado a um novo status, de maior importância estratégica e com mais ações práticas.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 

A pandemia do novo coronavírus impôs uma série de contratempos aos gestores públicos. As dificuldades surgidas ao longo de 2020, por ironia, fizeram com que o conselho, até então enfraquecido e mesmo desacreditado por alguns de seus integrantes, se tornasse o palco ideal para debates, acordos e deliberações conjuntas dos nossos administradores municipais.

Foi numa das reuniões extraordinárias realizadas em abril, por exemplo, que o ex-prefeito Paulo Alexandre Barbosa, então à frente do órgão, comunicou em primeira mão o convênio fechado com um hotel, em Santos, para abrigar os profissionais de saúde que atuavam na linha de frente do combate à doença. A proposta, para qual destinei R$ 300 mil em emendas parlamentares, havia sido sugerida a ele por mim um mês antes.

Resumo da ópera: assim como a ideia do hotel, várias outras saíram do papel. A necessidade de um diálogo constante e da troca de experiências entre os prefeitos possibilitou ao Condesb, na prática, “aprovar objetivo, metas e prioridades de interesse regional”, como determinam as atribuições oficiais do órgão.

A segunda onda da Covid-19, com o agravante do surgimento de uma nova variação do vírus, e seus impactos serão o maior desafio para os gestores das nove cidades eleitos em 2020. Não por acaso, a vice-presidência do colegiado ficará a cargo da diretora do Departamento Regional de Saúde (DRS-IV), Paula Covas, alguém que está bem familiarizada com o tema.

Que a nova diretoria do Condesb não apenas mantenha o bom trabalho desenvolvido no ano passado, mas intensifique as ações definidas em grupo. O vírus, assim como muitos outros problemas que atingem a região, não enxerga limite de território entre as cidades. Por isso, cada vez mais, a união dos representantes de cada município, em conjunto com os do Estado, se faz necessária.

Desde já coloco o mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) à disposição do presidente Rogério Santos, amigo de muitos anos e um servidor preparado para ocupar a vaga, e dos demais prefeitos da Baixada Santista. Já ficou comprovado que, unidos, podemos encontrar maneiras para superar os obstáculos que vão surgir. Um bom trabalho a todos.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.