Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

As curvas da estrada de Santos

Governo do Estado marcou para 6 de novembro a abertura dos envelopes das empresas interessadas em administrar o complexo turístico-histórico-ambiental Caminhos do Mar

Ao lembrar de um antigo romance, Roberto Carlos imortalizou aquela via em uma canção no final da década de 1960. Pois em breve não será preciso ser ‘rei’ para vivenciar as belezas da histórica Estrada Velha de Santos, com a infraestrutura e os serviços de apoio adequados que o passeio sempre mereceu. 

O vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) me informou, na semana passada, que o Governo do Estado marcou para 6 de novembro a abertura dos envelopes das empresas interessadas em administrar o complexo turístico-histórico-ambiental Caminhos do Mar.

Enquanto membro da Comissão de Assuntos Metropolitanos e Municipais da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), eu vinha discutindo com o Palácio dos Bandeirantes a importância do processo de concessão à iniciativa privada do parque ter um desfecho ainda neste ano, como forma de alavancar o turismo regional em um momento pós-epidemia. Como já disse em outra coluna, tenho convicção de que o setor turístico será a principal porta para a retomada econômica na Baixada Santista.

A Estrada Velha, cujos 9 quilômetros estão situados entre São Bernardo do Campo e Cubatão, ficará sob gestão da empresa vencedora pelo período de 30 anos. A medida faz parte da política de parcerias público-privadas (PPPs) instituída pelo atual governo: o trajeto, hoje feito só com autorização especial, não conta com estrutura e segurança desejadas.

A concessionária terá que investir, pelas próximas três décadas, aproximadamente R$ 11 milhões no parque – sendo metade (R$ 5,5 milhões) já nos três primeiros anos. Ficará responsável pelo restauro de todos os monumentos existentes no caminho, além de implantar lanchonete, loja, melhorias nos estacionamentos de entrada e atrações para o visitante.

A antiga ligação entre o litoral e o planalto – por onde Dom Pedro I passou antes de proclamar a Independência do Brasil, em 1822 – foi fundamental para o desenvolvimento econômico de São Paulo ao longo dos últimos três séculos. Ao que tudo indica, a velha estrada continuará tendo esse papel. 

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.