EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

24 de Agosto de 2019

Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

A luta pelo autoconhecimento, disciplina e bem-estar

Levei à Assembleia Legislativa de São Paulo uma proposta para que as escolas da rede estadual possam oferecer o ensino de artes marciais como atividade extracurricular

Professor há mais de 20 anos, aprendi na prática que a boa formação de um aluno não se limita às quatro paredes da sala de aula. Tudo o que vier somar para o desenvolvimento cognitivo, estrutural e de caráter do jovem, seja em ação extraclasse ou complementar, é louvável.

Pensando nisso, levei à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) uma proposta para que as escolas da rede estadual possam oferecer o ensino de artes marciais como atividade extracurricular. A Educação Física permanece na grade obrigatória.

E por que as artes marciais? Quem pratica taekwondo, aikido, karatê, jiu-jítsu, judô ou muay thay, entre outras, sabe bem a importância atribuída à disciplina. Outra característica dessas técnicas – não apenas de luta, mas de conhecimento corporal e mental – é o respeito dedicado aos mestres. Em tempos nos quais o noticiário nos traz casos cada vez mais degradantes de agressões de alunos a professores, esses fatores podem fazer a diferença.

O projeto de lei prevê que as aulas sejam aplicadas nos níveis Fundamental e Médio, períodos em que a personalidade da criança e do jovem está em formação. E o praticante de artes marciais carrega os valores de respeito e disciplina para fora do tatame. Tais modalidades também podem contribuir para o futuro profissional do cidadão, pois estabelecem que a concentração e o foco são elementos essenciais para a pessoa atingir seus objetivos.

Há, ainda, os fatores sociais e de saúde: o aluno que aprende os valores proporcionados pelas artes marciais terá menos probabilidade de entrar para o mundo do crime ou das drogas. E, no aspecto físico, a prática do esporte com certeza acarreta uma vida muito mais saudável.

Por fim, essa atividade extracurricular incentiva uma maior integração do estudante com o seu ambiente escolar. Como sua participação fica condicionada à frequência na unidade de ensino, o aluno passará mais tempo na escola – não na rua ou, simplesmente, entregue ao ócio.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.