EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

21 de Agosto de 2019

Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP) e membro do diretório nacional do partido. Foi superintendente da Funasa no Estado de São Paulo, vereador na cidade de São Vicente (SP), além de suplente de deputado estadual e candidato a prefeito no município.

No caminho certo

Contrariando o que muitos pregaram, índices de violência no Brasil diminuíram nos primeiros meses do governo Jair Bolsonaro (PSL)

Contrariando o que muitos críticos da candidatura do presidente Jair Bolsonaro (PSL) pregaram durante a campanha, um levantamento divulgado na última semana pelo portal G1 mostraram o que já sabíamos, que os índices de violência diminuíram nesses primeiros meses no Brasil.

Os números fornecidos pelo G1 apontam que o Brasil teve uma queda de 25% no número de assassinatos nos dois primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 6.856 mortes violentas no primeiro bimestre de 2019 (excluindo-se o Estado do Paraná), contra 9.094, o que representa mais de 2.000 casos a menos do que nos dois primeiros meses de 2018.

O Monitor da Violência, responsável pela mensuração dos dados, é uma ferramenta elaborada pelo G1, em parceria com o Núcleo de Estudos de Violência da Universidade de São Paulo (USP) e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Os índices de mortes violentas são medidos periodicamente com base nos dados oficiais dos 27 estados e do Distrito Federal.

Não estamos falando em suposições e sim em fatos concretos. Em 2016, o país bateu recorde de mortes violentas, com 30,3 homicídios a cada 100 mil habitantes, número que diminuiu para 24,7.

A expectativa do presidente Bolsonaro é que nos próximos meses com a consolidação do processo de flexibilização das leis armamentistas, o pacote anticrime enviado ao Congresso pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e a conscientização diária sobre a importância do resgate dos valores e da família, os números relacionados a queda da violência sejam ainda melhores.

Os resultados positivos seguem em todas as demais áreas do governo. Segundo levantamento feito recentemente pelo jornal Folha de São Paulo, das 35 metas propostas pelo nosso presidente para os primeiros 100 dias de mandato, 24 foram totalmente alcançadas, 6 foram parcialmente e apenas 5 ainda não foram atendidas. Os números são infinitamente mais positivos se comparados aos apresentados nos governos Dilma e Temer, o que só ratifica o compromisso do presidente Bolsonaro com o Brasil e com o povo brasileiro. As poucas metas que não foram cumpridas não dependiam exclusivamente do Palácio do Planalto, mas o que vemos é que o governo tem trabalhado incansavelmente para que saiam o quanto antes do papel.

Enquanto único deputado da Baixada Santista eleito pelo partido do presidente Bolsonaro, a nossa atuação na Câmara Federal tem buscado contribuir com medidas importantes do governo que impactam diretamente no crescimento do Brasil. Tanto que já no nosso primeiro mandato, fomos escolhidos para ocupar a vice-liderança do PSL na Câmara. Isso é o reconhecimento de todo o trabalho partidário que temos feito no PSL no Estado de São Paulo desde 2017, e agora no parlamento.

Em 70 dias de mandato nós já apresentamos 23 proposições, 10 Projetos de Lei, sendo 5 deles defendendo o Combate à violência Contra a Mulher. Foram 13 requerimentos, dentre eles a criação da Frente Parlamentar Mista dos Portos Nacionais. Também faço parte das Comissões de Constituição e Justiça, Viação e Transportes e Fiscalização e Controle, além de ter assumido recentemente a presidência da Subcomissão Permanente de Portos e Vias Navegáveis.

Esses resultados positivos não se tratam de mágica e nem de sorte, o nome disso é trabalho. Os ministros tem atuado de forma séria e técnica em todos os setores, nós, na Câmara Federal, temos cumprido o nosso papel na fiscalização e apresentação de proposituras para colocar o nosso País nos trilhos, e o presidente tem governado de maneira eficiente e comprometida com o Brasil. Contra fatos não há argumentos, e os números mostram que estamos no caminho certo.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.