EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

29 de Março de 2020

Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP), presidente do diretório estadual do PSL no Estado de São Paulo e vice-presidente Nacional do partido.

Carta aberta ao povo brasileiro

Vocês têm mais poder de mudança do que qualquer um. Não se diminuam e muito menos se subestimem

Amigos, vocês, o povo brasileiro, têm mais poder de mudança do que qualquer um. Não se diminuam e muito menos se subestimem. Temos 513 deputados na Câmara Federal, sendo que apenas 53 são do PSL da “taxada” onda Bolsonaro. 81 senadores e apenas 4 da tal “onda”, um total de 56.810 vereadores no país, e 1 da “onda”, o Carlos Bolsonaro, filho do presidente. São 5.570 prefeitos, e ZERO dessa “onda”.

Não se iludam com esse discurso esquizofrênico da bolha digital miliciana. Isso é mais uma falsa narrativa criada por mentes alopradas, e disseminada na mesma proporção de um vírus.

Aécio Neves teve quase 52 milhões de votos nas eleições em 2014 e, me digam, qual era a onda? A onda 2014 é a mesma de 2018, que se formou através das mãos e da luta de milhões de brasileiros que não mediram esforços para tentar tirar o governo corrupto do PT do poder.

A prancha só trocou de surfista em 2018, saiu Aécio Neves e entrou Bolsonaro. A onda foi a mesma. A diferença é que, em 2018, essa onda foi formada por muitos de nós aqui, que não tolerávamos sequer a hipóstase de mais quatro anos de um governo petista, nos moldes que tínhamos assistido nos últimos anos. Foi assim que Jair Messias Bolsonaro saiu da sua discreta, para não dizer pífia, participação legislativa e foi do baixo clero direto para a Presidência da República.

Bolsonaro ficou 28 anos no mandato como deputado federal. O que ele fez durante esse período? Nada pela população! Apenas aparelhou os seus filhos e patrimônio através da política. Então, qual foi o seu diferencial? A exaustão da população que implorava por mudança, um discurso ácido e intolerante, aliado ao atentado cinematográfico que ocorreu na figura de uma facada. Por favor, procurem os projetos aprovados pelo deputado federal Jair Bolsonaro... Em 26 anos, foram dois.

A falta de utilidade desses projetos para a grande população chama a atenção, eles foram da homenagem ao ex-deputado federal Enéas Carneiro à autorização para aplaudir a bandeira nacional após a execução do hino. Ou ainda sustar o uso de nome social para travestis e transexuais nos boletins de ocorrência e também nas instituições de ensino.

Todos nós queríamos a mudança, comigo não foi diferente, mas é inadmissível continuar tolerando as sandices que temos assistido dia a dia o presidente realizar, e a sua falta de conhecimento, humildade e sensibilidade em questões de extrema importância para o país, como a pandemia do coronavírus, por exemplo. Na tentativa de tirar o país da corrupção, mergulhamos na insanidade.

Bolsonaro não é Deus, sempre esteve extremamente longe disso. Ele não largou com 50% nas pesquisas, sequer tinha uma legenda para ser candidato. Precisava, além de um partido (confiável), também de apoiadores.

Por isso que Bebianno e Julian Lemos andavam para cima e para baixo com ele, porque sozinho ninguém chega a lugar nenhum. Tentaram convencer Janaína Paschoal a ser candidata à vice-presidência, pois era necessário, naquele momento, unir o máximo de figuras com credibilidade e projeção nacional para alavancar a ”onda” Bolsonaro. Foi por isso que convocaram uma série de candidatos a deputado federal e estadual em todo país, além de montarem os diretórios estaduais pelo país a fora.

Hoje eu vejo um monte de hipócritas que só dão mau exemplo para a sociedade, que são péssimos chefes de família, maus filhos, maus alunos, maus patrões, maus funcionários, batendo no peito e dizendo que “é de DIREITA”, como se fosse um “status”, e com isso pudesse apagar o seu histórico de pilantragem e ficha corrida no decorrer da vida. O sujeito “idiota” não sabe nem o que é ser Direita ou Esquerda. Nunca sequer teve uma ideologia ou um serviço prestado a favor da sociedade. Que esse pessoal pare com hipocrisia e crie vergonha na cara.

Quem não tem competência não se estabelece. Em São Paulo, para a Câmara Federal, o PSL teve chapa completa com 100 candidatos a deputado. O partido fez 17 cadeiras e só 10 dos 100 candidatos preencheram as vagas que o partido elegeu. Sete vagas ficaram para outros partidos porque os outros 80 candidatos do PSL não conseguiram fazer o mínimo de 30 mil votos que o quociente eleitoral exigia para poderem se eleger.

Entretanto, não podemos ser injustos e esquecer a importância de cada um deles que, com certeza, em suas campanhas nas ruas, ajudaram a formar a onda que serviu para eleger o Bolsonaro. Lembrando que a eleição foi em dois turnos, mesmo com tudo conspirando a favor, mesmo ele sendo o Mito, ele não levou no primeiro turno.

Cada um teve a sua importância, seja nas redes sociais, nas carretas, ou nas ruas, tanto os candidatos como a parcela da população brasileira que lutou e apoiou a eleição de Bolsonaro até o fim. O “CAPITÃO“ deveria ser, no mínimo, grato, isso sim, e parar com as esquizofrenias, crises e palhaçadas. Ele precisa esquecer 2022 e concentrar os seus esforços em governar logo esse país, sem ficar arrumando desculpas e “pseudo” inimigos o dia inteiro para mascarar a sua atuação à frente de um governo desgovernado.

Estamos vivendo um dos momentos mais graves da nossa história recente. O Brasil e os ministros precisam de paz nesse momento para colocar o país de volta no prumo. Precisamos de um líder que demonstre estar em perfeitas faculdades mentais e que afaste de vez toda essa problemática da guerra virtual, perseguições, filhos, teorias da conspiração, milícias digitais, etc. Precisamos urgentemente de um presidente que faça o que ele foi eleito para fazer, ou seja, que governe o Brasil!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.