EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

11 de Julho de 2020

Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP), presidente do diretório estadual do PSL no Estado de São Paulo e vice-presidente Nacional do partido.

2020 e o preconceito ainda envenena o Brasil

Um a cada três brasileiros diz já ter sido vítima de discriminação por sua classe social

Um a cada três brasileiros diz já ter sido vítima de discriminação por sua classe social segundo pesquisa realizada pelo Instituto DataFolha divulgada no final do ano passado. 

Infelizmente, esse não foi o único tipo de discriminação que aumentou. A pesquisa mostrou que cresceu também a proporção de pessoas que declaram já terem sofrido preconceito por sua cor da pele, orientação sexual, etnia, local onde vive, religião ou gênero.

Os números mostram que o preconceito de classe havia sido sentido por 23% dos entrevistados em levantamento anterior do instituto, de 2008, e por 21% em 2007. No atual, foram 30%. E revelam ainda que esse tipo de discriminação é mais comum aqui no Sudeste do país do que nos estados do Nordeste, por exemplo. 

A discriminação racial é outra questão grave no Brasil e mais de 1/5 dos brasileiros já foi vítima dela. 55% dos que se autodeclaram negros alegam já ter sofrido preconceito racial, índice cinco vezes maior do que os que se declaram brancos (11%). 

No nosso país, racismo e preconceito religioso são crimes inafiançáveis e imprescritíveis! Mas será que a lei está mesmo sendo cumprida? A questão vai muito além da ofensa, e esbarra no acesso a estabelecimentos, escolas, universidades, convivência em espaços públicos e até na Segurança, onde muitos são olhados diferentes e no extremo da ignorância até confundidos com bandidos por conta da cor da sua pele. 

Praticamente na mesma proporção de exclusão dos negros estão os gays, ainda de acordo com a pesquisa. Os dados apontam que 55% dos entrevistados que se declararam homossexuais disseram já terem sido vítimas de preconceito por conta de sua orientação. O número cai para 38% entre bissexuais e 6% entre heterossexuais.

Quando o assunto são as mulheres, uma a cada três afirmam já ter sofrido preconceito pelo simples fato de serem mulheres. Praticamente todo mundo já sofreu algum tipo de preconceito ou conhece alguém que foi vítima de discriminação. O brasileiro é fruto da miscigenação de vários povos, negros, indígenas e europeus, que resultaram na alegria colorida da nossa gente. Não nos cabe qualquer que seja o tipo de discriminação! 

É vergonhoso que no ano de 2020 o preconceito ainda envenene o Brasil e que ainda vejamos pessoas torcendo o nariz quando tocamos no assunto. Coitado daquele que prefere tapar o sol com a peneira e enxergar a discriminação no nosso país como “coitadismo”. Quem não vê a discriminação do negro, da mulher, do gay, e tantas outras que temos no nosso país tem uma visão muito limitada e míope.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.