EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

José Luiz Tahan

Livreiro da Realejo, editor, ilustrador e idealizador do festival Tarrafa Literária. Nasci em Santos em 1971, comecei como livreiro na mítica Livraria Iporanga aos 18 anos. Em 2001 criei a Realejo Livros e na sequência evoluímos para sermos editores. E, em 2009, estreamos o festival Tarrafa Literária. A parte desses trabalhos todos mantenho o desenho e ilustrações na minha vida. E um futebolzinho também.

Ele só pensa... Naquilo

Ainda o Crivella, prefeito do Rio, me perdoem voltar ao tema, mas queria dividir algumas reflexões com vocês, vamos juntos?

Na Escolinha do Professor Raimundo, quando o mesmo chama a aluna que tem fixação sexual, ela responde, sempre com a mesma conexão, num sentido duplo, o jargão: - Ele só pensa... Naquilo.

Li também, há alguns anos, um livro super legal - me parece que está esgotado, depois verifico se alguém por essas bandas da web quiser saber ou ler -, o “Toc na cuca”, Editora De Cultura, do holandês Roger Von Euch. Esse material foi escrito com a missão de gerar desbloqueios criativos, ele sugeria exercícios de forma prática e era bem inovador.

Numa das passagens do livro, ele defendia, com razão, a ideia de que quando você quer comprar alguma coisa, ou quer confirmar alguma tese ou argumento, sua percepção fica calibrada, ativada, sintonizada nessa frequência. Exemplo, quando pensamos em adquirir um carro azul, é incrível, só vemos carros azuis na rua, passando por nós.

Pois faço essa volta no meu carro azul, que também pode ser rosa, sem problemas, para falar do bispo e prefeito do Rio, o Crivella. Este homem conseguiu descobrir numa Bienal do livro, um evento enorme, com pavilhões gigantescos, uma HQ na qual um dos personagens era gay, uma HQ da Marvel, dos Vingadores.

Virou pauta de todos os jornais do Brasil, a HQ virou sucesso instantâneo, o youtuber Felipe Neto conquistou mais seguidores ainda por enfrentar o bispo comprando 14 mil exemplares da HQ e distribuindo gratuitamente no evento, ou seja, o homem preconceituoso e retrógrado fez um favor ao mercado editorial, que andava sem grandes sucessos novos.

Essa maluquice perversa de querer censurar segmentos LGBT, esse moralismo barato que esconde o enorme preconceito está cada vez mais inoportuno. Mais uma vez, vale sugerir, se não quiser, não leia, se não quiser, não veja, zapeie o canal, mas olha o respeito! Mau caráter é feio, mentirosos são horríveis, hipócritas também. E outra coisa, bem lembrada pelo ator e filho do Tarso de Castro, o João Vicente de Castro, quando no programa “Papo de segunda”, no GNT... Ah, e o Rio está quase sem problemas, o Crivella devia estar entediado, pois é...

Mas o que fica pra mim é essa ponte entre o livro “Toc na cuca” e o episódio do prefeito bispo Crivella. Me parece que, assim como a personagem do Chico Anísio, acho que se chama Dona Bela, salvo engano, o senhor prefeito também calibrou sua percepção, o que me faz pensar que ele... Só pensa... Naquilo.

Obrigado pela preferência, voltem sempre.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.