EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Eu Estudo Certo

Martha Vergine é delegada de polícia, professora universitária e teacher coach do EU ESTUDO CERTO. Especialista em técnicas de estudo e estratégias emocionais para ajudar pessoas que querem passar mais rápido em provas - como concursos públicos, exame da OAB, vestibulares e ENEM.

Que tal mudar o mundo passando em um concurso público?

Se você está agora lendo esse artigo, provavelmente, deve ser por um destes três motivos:

PRIMEIRO: Você quer mudar o mundo;

SEGUNDO: Quer passar em um concurso público;

TERCEIRO: Surgiu a curiosidade, não entendeu nada sobre a relação entre mudar o mundo e passar em concurso público - e vai ler mais um pouco para ver onde isso vai dar!

Afirmo, categoricamente, que este artigo é para você que respondeu “sim” para qualquer um dos motivos.

Para quem pretende fazer a diferença neste mundão em que vivemos, convido-o a ficar comigo mais um pouco, pois podemos juntos dar um passo importante nessa mudança que queremos ver acontecer.

Para você que está estudando com o intuito de passar em um concurso público concorrido, uma vez que hoje não há mais concurso fácil, dê uma pausa nos estudos e conheça a minha ideia. Tenho certeza de que juntos conseguimos dar um upgrade na sua preparação.

Porém, se ainda está aqui, simplesmente, pela sua curiosidade, convido a ficar com mais energia ainda. Tenho absoluta certeza de que o melhor ainda está por vir e você vai se surpreender.

Por que mudar o mundo?

A palavra mundo tem vários significados.

Muito comum é o uso da palavra como sinônimo de “universo, planeta, a, globo terrestre”, mas na nossa proposta, vamos utilizar a palavra “mundo” explorando os significados de “gente, sociedade, humanidade.”

Quando bradamos que vamos mudar o mundo, não queremos mudar a localização do nosso planeta dentro do sistema solar. Na verdade, queremos mudar algo que nos incomoda, nos inquieta, nos apoquenta sobre a realidade em que vivemos.

Queremos o efeito borboleta!

Para quem não o conhece, diz a cultura popular, que o bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo. 

Esta é a nossa proposta: Quem sabe a partir de um pequeno gesto, daremos um chacoalhão em toda a Via Láctea!

Ok, ok.

Nem tanto!

Se o chacoalhão acontecer dentro da sua cabeça, já ficarei bem feliz e, com certeza, o objetivo deste artigo será alcançado.

Uma das premissas que direcionam a minha vida é a crença na possibilidade da escolha. Isso mesmo, acredito que toda a nossa realidade é fruto das escolhas que fizemos no decorrer dos anos. E nosso futuro também será formado pelos acertos e erros de nossas escolhas atuais.

Quando converso com alguém sobre essa minha crença, muitas vezes, sou inquirida pelos mais céticos que perguntam se os problemas e dificuldades que enfrentamos também foram frutos de nossas escolhas.

E alguns se surpreendem quando respondo afirmativamente.

Podem ter sido escolhas ruins, é verdade, mas não deixaram de ser escolhas. Dessa forma, o mundo em que vivemos hoje é corolário das escolhas de todos os seus habitantes.

Como está o nosso mundão atualmente?

Segundo algumas pessoas mais pessimistas, ou como gostam de se intitular “mais realistas”, a vida nunca foi tão cruel e o passado era o melhor dos mundos. Outros já dizem, imbuídos de uma expressão mais positiva e esperançosa, que estamos em acelerado avanço e o mundo nunca foi tão próspero como atualmente.

Embora essas não sejam as únicas respostas possíveis, acredito que as demais seriam decorrentes das duas principais que descrevemos. São duas análises distintas para a mesma realidade.

Afinal, se convivemos no mesmo planeta, por qual razão as opiniões são tão contraditórias? Responder a essa dúvida não é tarefa fácil, mas não será motivo para eu deixar de oferecer a minha. ;)

Cada pessoa tem a sua forma de encarar as situações que a vida lhe proporciona. Como sabemos, duas pessoas podem passar pela mesma experiência e darem interpretações completamente distintas.

Essa diferença que move o mundo!

Entretanto, o que os concursos públicos têm a ver com tudo isso?

Como dito, há pessoas achando que ser servidor público resume-se às vantagens da estabilidade e bons salários, além de encerrar sua obrigação ao final de cada expediente. E, realmente, escolheram ser assim!

Há outros que ao trabalhar em um órgão público, sua missão é “servir o público”, entregar o melhor de si para a comunidade local, usuária do serviço. Por sorte, esses servidores e servidoras escolheram ser diferentes.

Uma pequenina diferença de atitude em uma única pessoa influencia a vida de toda a sociedade.

Durante o atendimento em um órgão público, podemos identificar facilmente a pessoa que é um mero “funcionário público” - mais preocupado em dar uma resposta rápida (às vezes, nem tanto!) para ficar livre do cidadão - diferentemente daquele que é “servidor público” - preocupado em resolver de verdade o problema da pessoa que procurou seu serviço.

Se queremos viver num lugar melhor, com mais respeito, cidadania, solidariedade, podemos começar praticando no nosso mundo, como diz a frase: “Se cada um cuidar do seu jardim, o mundo será muito mais florido”.

O preparo para uma carreira pública é, de fato, muito vantajoso, principalmente, para quem escolheu tornar-se servidor público. Não há salário no mundo que pague a felicidade que podemos proporcionar na vida de uma pessoa, seja salvando, curando, ensinando ou entregando Justiça.

E você quer mudar o mundo?

Vamos começar pelo seu? Se quiser passar em um concurso público e, efetivamente, ser um servidor público me acompanhe nas redes sociais que eu posso te ajudar.

Clique no link abaixo e me siga. ;) 

INSTAGRAM 

FACEBOOK 

 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.