EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

18 de Outubro de 2019

Eduardo Silva

É Diretor de Jornalismo da TV Tribuna. Além de dirigir a afiliada da Rede Globo na Baixada Santista e no Vale do Ribeira, é comentarista esportivo da TRI FM.

Ana Marcela: Fenômeno!

Aos 27 anos, a baiana está conseguindo valorizar ainda mais a natação brasileira, de tantos ídolos

Meus amigos, uma carreira vitoriosa se constrói com o tempo. E como o tempo faz bem para Ana Marcela Cunha.

Para quem é mais velho, como eu, ela ainda parece aquela menina que veio da Bahia, cheia de sonhos, que parecia um pouco tímida e assustada pela mudança de casa com apenas 13 anos de idade. Mas a imagem de menina desaparecia quando ela caia na piscina ou encarava as travessias. Ali estava a força dessa baiana, cheia de personalidade, ajudando a transformar a história das maratonas aquáticas no Brasil.

Títulos nacionais, internacionais, reconhecimento e a revelação virou realidade. Nos Mundiais, nas Olimpíadas, em qualquer competição, lá estava ela com a mesma raça. Uma força incrível, que parece aumentar a cada braçada, em provas no mar, onde nem sempre prevalece a ética. Tem empurrão, cotovelada, arranhão para encontrar o melhor espaço no mar. Não pense que Ana Marcela foge da briga. Não foge mesmo. Ela cresce nas dificuldades. Com sua técnica perfeita, essa super-atleta vai garantindo as maiores conquistas. E ela só em 27 anos de idade. O Brasil tem uma história tão linda na natação e Ana Marcela Cunha está conseguindo valorizar ainda mais esse esporte maravilhoso. De tantos ídolos. De uma galeria de honra, em que ela já garantiu seu lugar de destaque. 

Neste Mundial da Coreia do Sul ela conquistou a vaga para as Olimpíadas de Tóquio, no ano que vem. E a vaga veio com o quinto lugar na prova de 10 km.  Com o lugar assegurado para a terceira Olimpíada, ela tirou a pressão e voltou pra nadar os 5 km e os 25 km. O resultado foi o melhor possível: duas medalhas de ouro e o Hino Nacional ecoando no outro lado do mundo. Resultados espetaculares que também podem ser creditados ao excelente trabalho do técnico Fernando Possenti, que se dedica ao treinamento com a Ana Marcela.

Vendo pela TV, essas vitórias e toda a emoção do pódio fui lembrando de momentos marcantes dessa trajetória que, sem dúvida, foram muito importantes para a Ana Marcela. Como quando o esportista Marcelo Teixeira a contratou ainda menina para a equipe da Unisanta. Marcelo acreditou no potencial que ela já mostrava na “boa terra”.

Aqui, desde o início, o trabalho com o técnico Marcio Latuf, um dos treinadores que eu mais admiro no esporte, só a fez crescer. Marcelo, Marcio, a coordenadora Rosa do Carmo e tantos profissionais e colegas da Universidade foram fundamentais para o desenvolvimento da Ana Marcela como atleta. E sem dúvida, os pais, Ana Patrícia e George. A ligação de mãe e filha, sempre tão forte, parece ainda mais presente na relação das duas “Anas”.

Obrigado, Ana Marcela. Você é craque da natação. Com muita categoria e raça você realizou o sonho da saudosa da Renata Câmara Agondi, que nos anos 70 e 80, numa batalha solidária, já chamava a atenção de todos para as travessias. Lá do céu, a Renata deve estar vibrando com os seus resultados, porque assim como ela, você não nada apenas atrás de medalhas, mas nada por sonhos e por realizações, como só as “fora de série” conseguem fazer.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.