EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

14 de Outubro de 2019

Editorial A Tribuna

A Tribuna é o maior e mais antigo jornal impresso a circular na Baixada Santista. São 125 anos contando e publicando histórias

Renovação e formação política

Movimentos suprapartidários buscam formar quadros e influir na renovação do Legislativo brasileiro

Tem crescido o número de movimentos suprapartidários que buscam formar quadros políticos e influir na renovação do Legislativo brasileiro. Nas últimas eleições de 2018, eles conseguiram eleger 29 deputados federais e quatro senadores, além de um suplente de senador. Alguns dos eleitos pertenciam a mais de um movimento, e eles estavam distribuídos entre 14 partidos distintos.

Há duas linhas de ação principais: uma delas, desenvolvida pela Raps - Rede de Ação Política pela Sustentabilidade, fundada em 2012, consiste na seleção de lideranças comprometidas com a ética, transparência e sustentabilidade, com a finalidade de melhorar a qualidade da democracia brasileira; outra, que reúne Acredito, RenovaBR e Agora!, tem estado mais preocupada em reunir e preparar lideranças jovens que nunca exerceram mandatos, mas que estão engajadas em buscar soluções para o Brasil, estimular o desenvolvimento e diminuir a desigualdade no país.

Muitos movimentos afirmam-se como suprapartidários. A Raps, por exemplo, anuncia que é composta por 576 lideranças localizadas por todo o Brasil, pertencentes a 29 partidos diferentes, que vão do PSOL ao Novo. O RenovaBR, por sua vez, selecionou 1.400 pessoas para um curso de formação de novos políticos, tendo em vista o pleito municipal de 2020, sendo que 59% estão distribuídos entre 30 legendas.

O curso atraiu o interesse de 31 mil pessoas, e que compreenderá curso de 96 horas, sobre temas gerais e específicos. Os escolhidos passaram por prova de conhecimentos políticos, avaliação de currículo e teste para aferição de integridade. 

São pessoas de 445 cidades, de todos os estados brasileiros, que nunca ocuparam cargos eletivos, e representam um número dez vezes maior do que o registrado em 2018, ocasião em que 133 participaram de atividade semelhante, voltada às eleições legislativas. O balanço é muito positivo: dos 120 que efetivamente se candidataram, entre 22 partidos, 17 se elegeram para o Congresso e Assembleias Legislativas estaduais.

Os movimentos são bancados por doadores privados (a Raps anuncia em seu site possuir 545 deles), e vários nomes de destaque nacional, como Luciano Huck, Abílio Diniz, Armínio Fraga e Nizan Guanaes foram incentivadores da criação do RenovaBR em 2017. 

Há diferenças entre os grupos. Alguns deles, como o Agora! e o Acredito, têm causas e posicionamentos políticos. Mas há um traço comum entre todos: a busca da renovação e o incentivo à participação e qualificação. Não se trata de negar os atuais partidos, e sim de estabelecer novas formas de seleção e preparo de candidatos e lideranças. Nesse sentido, as iniciativas são positivas e podem constituir importante ponto de partida para a mudança das estruturas políticas no País, e devem, portanto, ser incentivadas e estimuladas. 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.