EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Direito Previdenciário

Sergio Pardal Freudenthal é advogado e professor universitário, especialista em Direito Previdenciário, atua há mais de três décadas em Sindicatos de Trabalhadores na Baixada Santista.

Liminar suspende despedimentos da Usiminas

A pandemia exige abdicação de todos, mas infelizmente os grandes não aceitam perder nada. Grande vitória do Sindicato impede 900 despedimentos na USIMINAS de Cubatão

Enquanto 60 milhões se esforçam para receber 600 reais do auxílio-emergencial e micro e pequenas empresas lutam pelo empréstimo que o desgoverno federal só dificulta, a Usiminas – que soube destruir a nossa siderúrgica de Cubatão – atropela acordos e negociações e resolve despedir 900 trabalhadores, mais da metade do pouco que lhes resta.

Em ação ajuizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da nossa Região, a juíza da 2ª Vara do Trabalho de Cubatão, Adalgisa Lins Dornellas, concedeu a liminar suspendendo os despedimentos e inclusive determinando que a Usiminas reintegre os empregados que tenham sido despedidos.

Neste gravíssimo momento que o mundo inteiro atravessa, é bom que o Poder Judiciário, especialmente em defesa dos trabalhadores, garanta princípios democráticos. Enquanto negociam o aperto dos cintos dos trabalhadores, o patrão resolve despedir mais de 900.

A Usiminas, além de uma “gordurinha” para queimar, também tem uma boa dívida com toda a Baixada Santista. Quando ocupou a COSIPA – Companhia Siderúrgica Paulista, em Cubatão, após dominar a usina de Ipatinga, nada de bom apresentou em sua gestão. Propositalmente deteriorou a produção siderúrgica, conduzindo o desmonte que acabou acontecendo. Perdemos para a China o péssimo mercado em que a direção nos havia colocado. Sem o funcionamento do alto-forno não se fabrica aço.

Enquanto os mais necessitados, trabalhadores e pequenos empresários, se esforçam para sobreviver durante a pandemia, a USIMINAS quer se aproveitar para golpes finais na indústria siderúrgica da Baixada Santista.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.