Direito Previdenciário

Sergio Pardal Freudenthal é advogado e professor universitário, especialista em Direito Previdenciário, atua há mais de três décadas em Sindicatos de Trabalhadores na Baixada Santista.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Aposentado na Especial não pode continuar em trabalho insalubre

A decisão do STF no Tema 709 de Repercussão Geral cria alguns problemas que podem ser resolvidos na modulação

Afinal, se o tempo de serviço dos que trabalhavam em condições insalubres, periculosas ou penosas era diminuído em suas aposentadorias, não seria correto mantê-los expostos aos agentes nocivos. Antigamente (até 1991), para se aposentar (retirar-se para os seus aposentos) era obrigatória a rescisão do contrato de trabalho, qualquer fosse a aposentadoria. Com o fim da exigência, restou a dúvida, muito mal resolvida pelo legislador em 1995, e, agora, sem muitas melhorias, pelo Supremo Tribunal Federal. No julgamento do Tema 709, com Repercussão Geral, ou seja, vale para todo mundo, o STF confirmou que não pode o trabalhador beneficiário do especial continuar exposto às maléficas condições que o obrigaram a se aposentar mais cedo.

Em primeiro lugar, é importante que ninguém saia sofrendo antes do tempo; até final da quarta-feira, 29/07, o Acórdão ainda não havia sido publicado, e, com certeza, a decisão exigirá a denominada modulação, como deverá ser aplicado.

O colunista já comentou bastante, a alteração legislativa desde 1995 foi bastante degenerativa para a Aposentadoria Especial. Do ponto de vista doutrinário, ao invés de uma espécie de aposentadoria por tempo de serviço / contribuição, seria aposentadoria por invalidez presumida, como se a exposição aos agentes nocivos deixasse o trabalhador presumivelmente inválido. Essa é a base teórica para descaracterizar a periculosidade, e também para exigir que o aposentado não continuasse exposto aos agentes nocivos. A tese é absurda e maldosa. Não havendo obrigação de rescisão do contrato para se aposentar, tentaram equiparar a especial à invalidez.

Se o aposentado por invalidez retorna a qualquer atividade remunerada, é evidente que não está mais inválido, ficou novamente apto para o trabalho e sua aposentadoria estará extinta (com algumas garantias quando a extinção decorre de perícia). Porém, o operário com 25 anos trabalhados no alto-forno siderúrgico, mesmo que retorne ao alto calor da produção de aço, não terá apagados os primeiros 25 anos. Isto significa que a Aposentadoria Especial pode até ser suspensa enquanto o trabalhador preferir continuar exposto aos agentes nocivos; porém, o direito ao benefício persiste, inadmissível que se pretenda a extinção.

A pretensão do INSS, de lucrar com a própria torpeza, já foi derrotada na decisão do STF. O impedimento de continuar nas condições especiais só pode valer a partir do gozo do benefício. Portanto, nos processos em que foi derrotado, o INSS terá que pagar todo o período devido, mesmo que o segurado tivesse continuado em condições especiais os dez ou quinze anos que levou a ação. Na grande maioria das vezes, o INSS negou o benefício, em conluio com a empresa empregadora sonegadora da contribuição específica (GFIP04). Assim, se o patrão acredita que suas condições de trabalho não ensejam o direito ao benefício especial, o empregado pode seguir trabalhando sem correr riscos de extinção ou suspensão da aposentadoria.

Talvez uma grande dúvida siga para a área trabalhista. Como se dará a rescisão de quem se aposenta na Especial? Teremos outra vez os incentivos de aposentadoria? Lembrando que a Aposentadoria Especial de que estamos falando, foi praticamente extinta pela EC 103, de 13/11/2019. Mesmo assim, teremos muito trabalho para os tribunais.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.