Dad Squarisi

Dad Squarisi fez curso de letras na UnB. Tem especialização em linguística e mestrado em teoria da literatura. É editora de Opinião do Correio Braziliense e comentarista da TV Brasília.

Homenagem à deusa

Por que junho se chama junho? Trata-se de herança da mitologia greco-romana

Recado

“Escrever é rua de mão dupla. O que acontece na outra pista é a leitura.”
Martin Amis

Junho chegou. Com ele, a curiosidade. Por que junho se chama junho? Trata-se de herança da mitologia greco-romana. Em grego, a deusa chamava-se Hera. Em latim, Juno. Casada com Zeus, o deus dos deuses, ela era defensora incondicional do casamento. 

Ao descobrir as traições do marido, a primeira-dama do Olimpo não punha em risco o próprio lar. Punia a outra e os filhos da outra. Pela luta incansável (Zeus era pra lá de infiel), passou a ser considerada a protetora da maternidade. Para render-lhe loas, junho se chama junho.

Diquinha

O plural de primeira-dama joga no time de primeiro-ministro. As duas palavras ganham s: primeiras-damas, primeiros ministros.

Torcidas à solta

No domingo, a Avenida Paulista parecia praça de guerra. De um lado, manifestantes vestidos com as cores nacionais. Do outro, usavam preto. Torcidas organizadas de times de futebol formavam o segundo grupo. Uma delas, a do Corinthians. No Rio também houve passeata. Flamenguistas a capitaneavam.

Repórteres cobriram o evento. Lá e cá, ouvia-se o plural rubros-negros. Nada feito. Nos adjetivos compostos, só o segundo se flexiona: time rubro-negro, times rubro-negros, torcida rubro-negra, torcidas rubro-negras, time verde-amarelo, times verde-amarelos, torcida verde-amarela, torcidas verde-amarelas, deus greco-romano, deuses greco-romanos, deusa greco-romana, deusas greco-romanas..

Olho no numeral

Que horas são? Na resposta, o verbo concorda com o numeral: É 1h. É 1h30. É meio-dia. É meia-noite. São 2h. São 18h30.

Por falar em hora...

Atenção, muita atenção. É meio-dia e meia, senhores. Meia concorda com hora: É meio-dia e meia (hora).

Crime inafiançável

“Texto bom preserva as árvores. Evite ser mais um dos responsáveis por tanto papel no lixo e tantas árvores cortadas à toa. Isso não quer dizer que seja aceitável escrever textos ruins para a internet só porque o texto no computador não consome árvores. Consumir a paciência do leitor, por meios impressos ou eletrônicos, é crime de lesa-humanidade.” (Maria Helena e Maria Otilia)

Tudo junto

Três bancadas poderosas falam alto no Congresso. Elas receberam apelidos que começam com b: Bancada da Bala (segurança pública), Bancada do Boi (agronegócio), Bancada da Bíblia (religiosos). Com a saída de Sergio Moro do ministério, a Bancada da Bala partiu para a luta.

Solicitou a recriação do Ministério da Segurança Pública. O pedido sugere uma dica de grafia. O prefixo re-, que indica repetição, tem alergia ao hífen. Com ele é tudo colado: recriação, reler, reeleição, reumanizar.

Bons modos

Trump presenteou o Brasil com 1.000 respiradores. Bolsonaro agradeceu. Vale dar uma olhadinha na regência de verbo tão educado. Agradecer pede objeto indireto de pessoa. Agradece-se a alguém por alguma coisa: Bolsonaro agradeceu a Trump pelo envio de respiradores. O filho agradece ao pai. Agradeceu ao ministro pela nota de apoio. Agradeço à direção da escola.

Sem bobeira

Na substituição do alguém pelo pronome, é a vez do lhe: Agradeço-lhe pelo envio de respiradores.

Leitor pergunta

Outro dia, li a palavra guei. Assim mesmo. Sem entendê-la, consultei o dicionário. Trata-se do aportuguesamento da inglesa gay. Como faço – uso o original ou o naturalizado?
Beatriz Figueiredo, São Luís (MA)

Como as leis, há naturalizações que não pegam. Guei é uma delas. Fique com gay e respeite o plural gays.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.