EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

6 de Agosto de 2020

Dad Squarisi

Dad Squarisi fez curso de letras na UnB. Tem especialização em linguística e mestrado em teoria da literatura. É editora de Opinião do Correio Braziliense e comentarista da TV Brasília.

Dicas de Português: Minutos de glória

Se o Brasil não existisse, precisava ser inventado. A quarentena serve de exemplo

Recado

“Uma língua não é somente um meio de comunicação. Uma língua é uma visão de mundo." - Antonio Gramsci

Se o Brasil não existisse, precisava ser inventado. A quarentena serve de exemplo. “Fique em casa” é a ordem. Mas muitos não estão nem aí. Manifestantes tomam as ruas de Brasília e São Paulo. Alguns batem no Governo. Outros aplaudem o hóspede do Planalto. Torcidas organizadas e ativistas antirracismo também desfilam na avenida.

No sábado, a capital dos brasileiros se superou. Meia dúzia de gatos-pingados ameaçou o Supremo Tribunal Federal. Disparou fogos de artifício contra o prédio da Corte. O Twitter bombou. Além dos donos da casa, parlamentares, magistrados, governadores condenaram o ato. “É pirotecnia”, gritou alguém. Os arruaceiros pararam atônitos. O que é isso?

É fogo

Pir – quer dizer fogo. A greguinha formou uma família enorme. Entre os membros, pira é velha conhecida. No começo, dava nome à fogueira onde se queimavam cadáveres. Depois, passou a designar qualquer fogueira. Lembra-se da pira olímpica? De dois em dois anos, ela ganha as manchetes com as Olimpíadas.

Pirotecnia tem outro elemento além de pir. É tekné, que significa técnica, arte. Trata-se da técnica de usar fogos de artifício com dois objetivos. Um: encantar. O outro: entreter o público.

Será?

Dizem que a brincadeirinha pirotécnica poderia transformar o prédio do STF em chamas. Será? Pelo sim, pelo não, vale dar uma olhada no verbo incendiar. Ele se conjuga como odiar: odeio (incendeio), odeia (incendeia), odiamos (incendiamos), odeiam (incendeiam); odiei (incendiei), odiou (incendiou), odiamos (incendiamos), odiaram (incendiaram). E assim por diante.

Curiosidade

Naquele tempo, não havia perícia. Nem corpo de bombeiros. Nem escada Magirus. Por isso até hoje não se sabe se o famoso incêndio de Roma, ocorrido em 64 d.C., foi acidental ou criminoso. A versão mais conhecida diz que o imperador, doido de pedra, foi quem mandou incendiar a cidade para se inspirar e escrever um poema. Além de piradinho, o homem era vaidoso. Tanto que, ao suicidar-se, gritou: "Que grande artista o mundo vai perder!"

Parabéns pra você

Viva! O Maracanã completou 70 anos. Quando foi inaugurado em 16 de junho de 1950, enchia os brasileiros de orgulho. Era o maior estádio de futebol do mundo. Comportava 200 mil pessoas -- 10% da população do Rio na época. O então presidente da Fifa Jules Rimet o comparou ao Coliseu de Roma.

Tantos superlativos suscitam a curiosidade: de onde vem o nome da obra conhecida de norte a sul, de leste a oeste? Vem do tupi maraka´ña. Quer dizer isto: semelhante a um chocalho.

70

Ontem o templo do futebol verde-amarelo apagou 70 velinhas. Ele comemorou o septuagésimo ou o setuagésimo aniversário? Tanto faz. Uma forma e outra merecem nota 10. A alternativa é acertar, ou acertar.

Sem dúvida

Que tal os ordinais de 1 a 10 e de 10 a 100? Ei-los: primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto, sexto, sétimo, oitavo, nono, décimo, vigésimo, trigésimo, quadragésimo, quinquagésimo, sexagésimo, septuagésimo (setuagésimo), octogésimo, nonagésimo, centésimo.

Vale a dica

Numeral ordinal tem alergia ao hífen. Pra evitar espirros e erupções na pele, deixe o tracinho longe da criatura tão sensível. Assim: décimo primeiro, octogésimo sétimo, centésimo décimo terceiro.

Leitor pergunta

O Roberto Carlos canta “eu tenho tanto pra lhe falar”. Não seria “te falar”? - Uriel Villas Boas, Santos

Ambas as formas estão corretas. Empregar uma ou outra depende da pessoa. Se uso você, o lhe pede passagem. Se tu, o te. O rei ficou com a primeira opção.

 

Dad Squarisi é jornalista e escritora

dad.squarisi@gmail.com

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.