Dad Squarisi

Dad Squarisi fez curso de letras na UnB. Tem especialização em linguística e mestrado em teoria da literatura. É editora de Opinião do Correio Braziliense e comentarista da TV Brasília.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Dicas de Português: Bandido à solta

Dad Squarisi dá dicas de português

Recado

“Felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz estão em harmonia.” Mahatma Gandhi

Eta semana pesada! Nos sete dias, imperou um assunto – a libertação de André do Rap. O chefão do PCC saiu da cadeia de segurança máxima pela porta da frente. Fez agrados no advogado, entrou no carro, bateu asas e voou. Para onde? Sabe-se lá. Suspeita-se de Paraguai e Bolívia.

Sem confusão

O noticiário, claro, falou em tráfico. Alguns escreveram tráfego. Pintou, então, a dúvida: há diferença entre as duas palavras? Há. E põe diferença nisso. É tão grande quanto a distância entre a água e o azeite:

Tráfego = trânsito, grande atividade, afã, comércio: tráfego aéreo, tráfego marinho, tráfego rodoviário.

Tráfico = comércio, não necessariamente ilícito. Daí se dizer tráfico ilegal ou tráfico ilícito. Melhor evitar confusão. Use tráfico só na acepção de comércio ilícito: tráfico de droga, tráfico de influências, tráfico de mulheres. 

Por falar em trânsito...

O s que aparece na palavra trânsito soa z. O que aparece na palavra transubstanciação soa ss. Por quê? Ambos os vocábulos são formados pelo prefixo trans-. A resposta está no que vem depois.

Trânsito, como transigir, transatlântico, transar e transístor, é seguido por letra diferente de s: trâns(ito), trans(igir), trans(atlântico), trans(ar), trans(ístor).

Transubstanciação, como transiberiana, transumir e transugar, é seguida de palavra começada por s. Viu? S de um lado e s de outro são dose dupla. Na escrita, um deles some. Mas na pronúncia soa como se estivesse presente: trans(substanciação), trans(siberiana), trans(sumir), trans(sugar).

Rosa que te quero rosa

A campanha Outubro Rosa veste os monumentos de cor-de-rosa. Trata-se de forma charmosa de chamar a atenção para a necessidade de prevenir o câncer de mama. À noite, as cidades ganham toque de magia. Os cidadãos circulam pelas ruas encantados. Fotografam. Postam comentários e imagens nas redes sociais. É um show.

Sai ano, entra ano, ao divulgá-la, pinta a pergunta. Por que cor-de-rosa se escreve com hífen e as demais cores não? São artes da reforma ortográfica. Antes, cor de laranja, cor de carne, cor de vinho, cor de abóbora se grafavam com o tracinho. Agora, circulam livres e soltas. E cor-de-rosa? É a exceção que confirma a regra.

Câncer

Por que câncer se chama câncer? Câncer chegou ao português via latim (cancer). Mas o vocábulo nasceu grego. Na língua de Aristóteles e Platão, era karkinos. A trissílaba quer dizer caranguejo. O que a doença tem a ver com o crustáceo? A aparência: o desenho das veias da região afetada pela doença lembra ... caranguejo.

Olha o Hércules 

Hércules enfrentou a Hidra de Lerna. Pra vencer o dragão com nove cabeças de serpente, tinha de cortar todas elas. Como? Mal decepava uma, a danada renascia. Ele, então, queimou com uma tocha os pescoços cortados. Oba! A deusa Hera, inimiga do valentão, mandou um caranguejo mordê-lo. O herói o esmagou. Hera recolheu os pedaços espalhados pelo chão. Com eles, formou a constelação de Câncer, que quer dizer caranguejo.

 

Leitor pergunta

Ouço pessoas dizerem “por conta de” no lugar de “por causa de”. Estão certas?

Maria Eliza Duval, Belo Horizonte (MG)


“Por conta de” na acepção de “por causa de” é modismo. Muitos o rejeitam. Como falamos e escrevemos para o outro, é melhor seguir esta regra:

Por causa de = devido a, por motivo de, em razão de, em virtude de, graças a, por obra de.

Exemplos: O senador Chico Rodrigues deixou a vice-liderança do governo por causa do dinheiro na cueca. Muitos se sentem ansiosos por causa do isolamento social. Houve interrupção das aulas por causa da pandemia.

Por conta de = a cargo de, à custa de, sob a responsabilidade de, custeado ou financiado por alguém.

Exemplos: O cafezinho é por conta da casa. As definições da obra ficam por conta do engenheiro. Diverte-se por conta dos pais.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.