CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Desabafo
Acento e pronúncia formam par inseparável. Agudo e circunflexo só caem sobre a sílaba tônica. Em dissílabos, trissílabos e polissílabos, descobrir a fortona é fácil como passar criança pra trás na fila
Por: Dad Squarisi  -  22/11/20  -  10:10

Recado


“No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus.”
João, 1:1


Ricardo Antônio é leitor atento do jornal. Presta atenção às notícias e à forma como são contadas. Outro dia, escreveu um desabafo: “A coluna falou mais de uma vez sobre o emprego dos quês e dos porquês. Mas repórteres nem sempre leem as lições. Que tal um repeteco?” Leitor manda, não pede. Lá vai.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!


O quê dos quês


Acento e pronúncia formam par inseparável. Agudo e circunflexo só caem sobre a sílaba tônica. Em dissílabos, trissílabos e polissílabos, descobrir a fortona é fácil como passar criança pra trás na fila. Com os monossílabos, porém, a história muda de enredo. Os pequeninos obedecem às mesmas regras das oxítonas. Acentuam-se os terminados em a, e e o seguidos ou não de s: está (dá), estás (dás), pajé (dê), pajés (dês), vovó (dó), vovós (dós).


A cilada


Nada de especial. Por que, então, o quê dá nó nos miolos? Porque o danado muda de time a torto e a direito. Ora é conjunção. Ora pronome. Ora substantivo. A primeira equipe não dá problemas. Apresenta-se sempre com a mesma cara. As duas outras dão enxaqueca. Às vezes pedem chapéu. Outras vezes dispensam o acessório. Você sabe lidar com as estripulias delas? Antes de responder, faça o teste. Ponha o acento onde ele couber: 


Teste


Leio e escrevo sem dificuldade. Mas um que sempre me deu nó nos miolos. Trata-se da grafia do que. Com acento? Sem acento? Insegura, chuto. Acerto? Qual o que! A Lei de Murphy fala alto. O que pode dar errado dá. Fazer o que? A resposta é uma só. Estudar o que dos ques. Desvendados os mistérios do monossílabo, fica uma certeza. O que não é tão feio quanto parece. Veja por que.


Passo a passo


Você merece nota 10 se conseguiu distinguir as equipes:


1º time 


A equipe da conjunção se apresenta com a mesma cara – sem acento: Disse que acabará o estágio em dezembro. Saia mais cedo, que o metrô não circula hoje.


2º time
As outras provocam dor de cabeça. Por duas razões. De um lado, a criatura tem o poder da mobilidade. Salta daqui para ali como macaco salta de galho. De outro, varia de classe gramatical. Passa de pronome a substantivo com a facilidade com que trocamos de camiseta. Nós pagamos o pato da estripulia. O preço é o acento. Quando usá-lo? Em duas oportunidades:


1. Quando o quê for substantivo. Aí será antecedido de pronome, artigo ou numeral. Como todo nome, tem plural:


Modelos na passarela têm um quê de sedutor. Qual o mistério dos quês? Este quê não me confunde mais. Corte os quês da redação. Belo quê você introduziu no discurso. Quem mandou?


2. Quando o quê for a última palavra da frase – a última mesmo, coladinha no ponto: Trabalhar pra quê? Riu, mas não disse por quê. Você se atrasou por quê? Ele se ofendeu com quê? Quero saber a razão do emprego desse quê.


Xô, mistério


É isso. Desvendados os dois empregos, o quê recolhe-se à própria insignificância. Redatores que arrancam os cabelos por causa do acentinho chegam à conclusão óbvia: não há por que temer o quê. Ele é mais manso que o gatinho lá de casa.


Resultado do teste


Transito bem pela língua portuguesa. Leio e escrevo sem dificuldade. Mas um quê sempre me deu nó nos miolos. Trata-se da grafia do quê. Com acento? Sem acento? Insegura, chuto. Acerto? Qual o quê! A Lei de Murphy fala alto. O que pode dar errado dá. Fazer o quê? A resposta é uma só. Estudar o quê dos quês. Desvendados os mistérios do monossílabo, fica uma certeza. O quê, como o cão chupando manga, não é tão feio quanto parece. Veja por quê.


Leitor pergunta


Ele é mau-caráter. E eles?
Sandra Lemos, Belo Horizonte (MG)


Eles são maus-caracteres. Elas também.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.